*****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 682, referente ao período de 19 a 25 de agosto de 2018. ***** Editor: Daslan Melo Lima - Timbaúba, Pernambuco, Brasil. ***** Contatos : (81) 9-9612.0904 (Tim e Whatsapp). E-mail: daslan@terra.com.br

sábado, 18 de agosto de 2018

“Sim, eu sou um homem e choro"


          "Sim, eu sou um homem e choro. Um homem não tem olhos? Não tem também mãos, sentidos, inclinações, paixões? Porque é que um homem não devia chorar? ”  Esta citação do dramaturgo sueco August Strindberg (1849-1912) tem a ver comigo e mais ainda na Ilha do Retiro, no domingo passado, 12, quando testemunhei a vitória do São Paulo Futebol Clube diante do meu Sport Club do Recife pelo placar de 3 X 1, em mais uma rodada do Brasileirão, Série A. 

     
       O primeiro gol do São Paulo veio da parte do Diego Souza, ex-jogador do Sport. O atacante levantou as mãos em forma de coração, como símbolo de amor e carinho pelos torcedores rubro-negros, e depois fez uma reverência ao Magrão, goleiro-ídolo do Sport. Ao ser entrevistado no intervalo, Diego se emocionou e chorou ao dizer: “ Eu fui feliz aqui...” 
      E foi sob os aplausos de milhares de pessoas que ele deixou o campo ao ser substituído por Tréllez aos 31 minutos do segundo tempo. Perto de mim, dois senhores choravam. Também deixei que as minha lágrimas fluíssem sem problema algum. “Sim, eu sou um homem e choro. ” 
----------------------
- Daslan Melo Lima
--------------------------
Entrevista do Diego Souza 
https://www.youtube.com/watch?v=xLcONI-WjVU

*****

DE OLHO NO PASSADO - O Cruzeiro, Ano XLI, Nº 17, 24 de abril de 1969

---------


MARISA URBAN -  Manequim, atriz de cinema, Marisa Urban é uma mulher de grande charme. Aos onze anos tinha 1,80 m de altura. Nasceu em Aparecida do Norte, São Paulo, onde o pai era fazendeiro de tomates. Quando a família veio para o Rio, Marisa enfrentou seu primeiro e grande problema: o tamanho. Um dia ela quis ser médica. Os pais mandaram-na para a Inglaterra. Voltou falando inglês, francês, italiano, alemão e espanhol, mas o curso de Medicina foi abandonado: "A prática me enchia de horror." Durante oito meses Marisa foi aeromoça da BOAC e em seguida voltou ao Brasil para seu primeiro casamento.  
     "Quando meu marido morreu, três anos depois, minha vida mudou muito, mas eu não fiquei sozinha. Tinha Erik e Christian, meu filhos, e eles dependiam muito de mim, precisavam que eu estivesse ali, presente, e não cheia de lembranças amargas, sufocantes". Seu segundo marido, chileno, guardava um retrato dele há dois anos. Não durou muito o casamento. 
     "Estou traduzindo um livro de Kazantzatkis que se chama Liberdade ou Morte. É o romance que mais me encheu de emoção. Não, não quero ser nada para poder ser tudo."  ***** Texto de Mendonça Netto - Foto: Sérgio Rocha.
----------


BETO ROCKEFELLER - Novela faz sucesso na TV Tupi paulista. "Um rapaz pobre, da pequena burguesia, que se mete no meio da alta sociedade, fingindo-se rico. E para se manter nessa situação, usa de todos os recursos, mente, aproveita-se dos amigos. Não é propriamente um mau caráter. É um homem que está na roda viva da vida, onde não só ele está errado, mas tudo o mais. Assim é, em resumo, Beto Rockefeller. 
         Quem explica é Bráulio Pedroso, que, todo dia, escreve os capítulos da história. E adianta que o tema central foi bolado por Cassiano Gabus Mendes, diretor artístico da TV Tupi de São Paulo. A ideia foi criar uma história em torno de um bicão, e, o mais importante, fazer uma telenovela realista, fugir aos velhos chavões do mocinho bom caráter, do final feliz. Beto Rockefeller é uma história  transportada para a TV. É o dia a dia de um "gigolô da sociedade", suas aventuras, seu ambiente. 
     O homem que vive beto - Luís Gustavo Sanches Blanco começou a  trabalhar na TV em 1950 - quando a TV começou a existir no Brasil. E, na Tupi, ele fazia de tudo: iluminação, câmera, etc. Um dia foi ajudado pelo acaso. Era assistente de estúdio quando um dos atores de uma peça faltou. Luiz Gustavo substitui-o e foi aprovado. ***** Texto de Etevaldo Dias - Fotos de Claudine Petroli.
----------


QUEM É MARIA HELENA? - Ela é a primeira candidata ao Miss Guanabara deste ano, lançada pelo Telefônica Atlético Clube. Por extenso, Maria Helena Leal Lopes. Morena de 18 anos que mora na Tijuca e estuda no Colégio Pedro II. Leninha entrou confiante na parada. Que vai ser das maiores - nada menos de 40 clubes já pediram inscrição - e dará um Corcel estalando à vencedora. ***** Texto de Ubiratan de Lemos. Fotos de Indalécio Wanderley. ***** Detalhe: Maria Helena não disputou o titulo de Miss Guanabara 1969. Alguém denunciou que ela era menor de idade, pois não tinha ainda 18 anos completos. A Miss Telefônica Atlético Clube voltou a concorrer no ano seguinte e obteve o segundo lugar, perdendo  para Eliane Fialho Thompson.  


*****

DE TIMBAÚBA PARA O MUNDO - Revista Timbaúba Em Foco, Julho/2018, Edição 87

               

A edição especial da revista TIMBAÚBA EM FOCO, focalizando o Jubileu dos 80 anos das Irmãs Franciscanas de Maristella da Província de Santa Cruz e Escola Santa Maria, poderá ser conferida, na íntegra, através deste link:  
 http://escolasantamaria.com.br/site/wp-content/uploads/2018/03/timbauba_emfoco_07_18.pdf


*****

SESSÃO NOSTALGIA - 25 de Agosto, Dia do Missólogo Brasileiro

Daslan Melo Lima      
                     
          Há dias consagrados para tudo, ou quase tudo, no Brasil e no mundo: Dia do Amigo, Dia do Soldado, Dia do Gari, Dia do Professor, Dia da Mentira, etc. Eu nunca ouvi falar no Dia do Missólogo. E tenho certeza absoluta que você também nunca ouviu, pois não existe. Pelo menos não existia até esta edição de PASSARELA CULTURAL. A partir de agora, ouso criar um dia para celebrar nossa paixão pelas Misses, paixão que também é sua, prezado leitor, prezada leitora, da SESSÃO NOSTALGIA: 25 de Agosto. 

----------

Por que o 25 de agosto como Dia do Missólogo?

      Para responder à pergunta, precisarei focalizar a figura de Luiz Leopoldo Brício de Abreu, ou simplesmente Brício de Abreu, jornalista, poeta, crítico teatral, escritor e dramaturgo nascido no Rio Grande do Sul, em 25 de agosto de 1903, e falecido no Rio de Janeiro, em 16 de fevereiro de 1970.  Foi ele a personalidade que me inspirou a criar o Dia do Missólogo Brasileiro. Abaixo, um pouco da sua trajetória profissional extraída da Wikipédia.

Brício de Abreu
---------

      Com o poeta Álvaro Moreyra (1888-1964), também gaúcho, Brício de Abreu criou Dom Casmurro, a mais importante revista literária da época. Apesar das dificuldades, chegou a vender 50 mil exemplares semanalmente, número surpreendente para o Brasil daquela época, um país com 30 milhões de habitantes e altíssimos índices de analfabetismo. Posteriormente, ainda nos anos 1940, Brício dirigiu também a Comoedia, revista mensal de teatro, música, cinema e rádio.   
      Ao longo de sua vida, constituiu um vasto acervo de documentos e material fotográfico referente a artistas que participaram ativamente da vida musical brasileira.  A Coleção Brício de Abreu veio a constituir a maior parte dos documentos digitalizados pelo Cedoc - Centro de Documentação e Informação em Arte da Funarte, que visa a preservação da história da música, sobretudo da música popular. Outra grande parte da coleção encontra-se na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Casou-se duas vezes: primeiro com Maria Desmurs (carece de fontes] e, depois, com Odette Veiga, sua companheira nos últimos trinta anos de sua vida.
     Brício de Abreu trabalhou na organização de concursos de beleza, em Paris, de 1929 a 1935, e, anos depois, no Rio de Janeiro. Algumas de suas obras: “Por Experiência", teatro, 1919”; “Evangelho da Ternura”, poesia, 1921; “ A mais forte”, romance, 1922; “Uma Lágrima de Amor”, teatro, 1922; “ A Eterna Comédia”, teatro, 1924. “Eleonora Duse no Rio de Janeiro”, crítica, teoria e história literárias, 1958. “Esses Populares tão Desconhecidos”, teatro, 1963.
----------

Brício de Abreu e as Misses

      Em reportagem da revista O Cruzeiro, Ano XXXVII, Nº 33, de 22/05/1965, Brício  de Abreu contou que organizou com Maurice De Waleffe (1874-1946) concursos de beleza em Paris, de 1929 a 1935, e anos depois no Rio de Janeiro.  Em 1930, coordenou o certame que teria seu final no Rio de Janeiro, para o Concurso Internacional da Beleza (Miss Universo) daquele ano. Em 1932, ao lado de jornalistas brasileiros que trabalhavam em Paris, elegeu, entre onze moças brasileiras residentes na capital francesa, a Miss Brasil 1932, Yeda Telles de Meneses, filha da célebre cantora Julietta Teles de Meneses.  

Yeda Telles de Meneses, Miss Brasil 1932, entre Maurice de Waleffe e Elyseu Montarroyos. Atrás: Olavo Freire, Brício de Abreu e Marcos Sepúlveda. ***** Revista O Cruzeiro, Ano XXXVII, Nº 33, de 22/05/1965. ***** Acervo: DML/Passarela Cultural
----------

Brício de Abreu e quatro candidatas ao título de Miss Universo 1932: Gween Stallard, Miss Inglaterra; Olga Djouritch, Miss Iugoslávia; Marie Émilienne Caisson, Miss França;  e Ingrid Richard, Miss Alemanha. ***** Revista O Cruzeiro, Ano XXXVII, Nº 33, de 22/05/1965. ***** Acervo: DML/Passarela Cultural.
                                                 -------------- 

Cardápio de um "diner de gala" oferecido às candidatas do concurso Miss Universo 1932, no balneário de Spa, Bélgica. Beatriz Dolores del Campo, Miss México, escreveu nas costas do cardápio uma dedicatória para Brício, "el muchaco más guapo" (o cara mais bonito). *****  Revista O Cruzeiro, Ano XXXVII, Nº 33, de 22/05/1965. ***** Acervo: DML/Passarela Cultural.
----------
          Além de organizar com muito zelo concursos de beleza no Brasil e no exterior, Brício de Abreu amava e tinha paixão pelo mundo Miss.  
 ----------
Você sabe o que é um missólogo?
O Mais que Miss conta para você!

Andréia Reis, Miss Santa Catarina 1985.
----------
      Para entender melhor este universo, Andréia Reis, Miss Santa Catarina, semifinalista (Top 12) no Miss Brasil 1985, entrevistou o   jornalista,  arquiteto e missólogo baiano, Roberto Macedo, editor do site Miss News, http://www.missnews.com.br/, autor da biografia da Miss Universo 1968, Martha Vasconcellos
----------
ANDRÉIA REIS - Roberto, qual a origem da palavra missólogo?
ROBERTO MACÊDO -  Acredito que ela surgiu em 1987 quando eu fui convidado para uma entrevista na TV Itapoan em um programa preparatório do Miss Bahia. O produtor, Carlos Borges, irmão da apresentadora, Hélide Borges, disse que não sabia como me chamar. Foi então que ele sugeriu o termo "missólogo". A partir dali, passaram a me chamar de missólogo em todos os programas que eu participava.
----------
ANDRÉIA REIS - E o que é um Missólogo?
ROBERTO MACÊDO - O missólogo é o estudioso dos concursos de misses. Assim como existem psicólogos, antropólogos, geólogos, existem missólogos. É quem pesquisa, quem busca o conhecimento decorrente dos concursos de beleza, pois não se resume ao desfile a escolha de uma miss. Há todo um envolvimento social, político, econômico. Uma miss conta com a participação do seu meio, sua família, seus amigos, seu clube, seu município, seu estado, seu país. Há os componentes econômicos, como a sede do concurso, os patrocinadores, as transmissões por TV, rádio, internet, etc. Também podemos observar os interesses políticos de lançar uma candidata, de sediar o evento, de usar o título de uma miss para promoção. Há questões relacionadas com cirurgias plásticas, sexo, religião, racismo. Ou seja, um concurso de miss é o retrato do momento sóciopolítico de uma coletividade.
----------                                                                                                   
ANDRÉIA REIS - Quais foram os primeiros missólogos brasileiros?
ROBERTO MACÊDO - No início eu me sentia um ET. Não conhecia mais ninguém que gostasse dos concursos de beleza como eu, de forma científica - diria até assim. Com o tempo, conheci um missólogo colombiano fruto de uma carta que enviei para a revista Cromos. Ele me colocou em contato com o alagoano Expedito Barros (um dos maiores do Brasil). Daí o grupo foi crescendo, e, com o advento da internet, descobrimos que não somos ETs, rssss. Há muitos missólogos em todo o mundo.
----------
Roberto Macêdo
----------
----------
ANDRÉIA REIS - Existem regras?
ROBERTO MACÊDO - Não. Alguns se interessam mais pelo fato social, outros pelos indicativos de uma época, outros pelas estatísticas. O importante é que cuidem dos concursos com esmero, procurando tirar todas as lições possíveis para que se possa entender uma época. É de grande importância separar o missólogo do treinador. De uns tempos para cá, pessoas que não sabem nada da história dos concursos, mas que ensinam a miss a se maquiar, a desfilar, a posar, têm se auto-denominado missólogos. Não, esses não são missólogos. São treinadores de misses.
----------
ANDRÉIA REIS - Qual o perfil de um missólogo?
ROBERTO MACÊDOOs mais variados. Creio que há um componente comum a todos: são inteligentes (modéstia à parte rssss). São profissionais que cuidam das suas vidas, geralmente bem sucedidos nas suas profissões e têm nos concursos de beleza um hobby muito importante ao qual dedicam boa parte do seu tempo.
----------
ANDRÉIA REIS - Qual a importância dos missólogos para a história dos nossos concursos?
ROBERTO MACÊDO - Acredito que a importância maior está em ser um guardião da história. O missólogo guarda com cuidado e conhecimento técnico o acontecimento. É uma testemunha. E faz com que as rainhas da beleza sejam eternamente lembradas, homenageadas, festejadas. Devemos sempre saber quem fomos para sabermos o que queremos ser. 
"Um povo sem história é um povo sem futuro", finaliza Roberto Macedo.
----------
----------


   Este vídeo produzido pela Funarte-Fundação Nacional de Artes/Ministério da Cultura, https://vimeo.com/160683744 , mostra o precioso legado de Brício de Abreu.
            O que você, leitor, leitora, achou da criação do Dia do Missólogo? Sua opinião ou crítica construtiva será bem-vinda, em nome da nossa paixão pelas misses, afinal paixões são paixões, simplesmente paixões. Não se explicam. 
            
------------

//////////

Aqui termina mais uma edição de PASSARELA CULTURAL. Rolando mais abaixo, você vai encontrar a seleção de todas as postagens. 
----------
----------

sábado, 11 de agosto de 2018

O destino de ser parceiro do mar

      



        Houve uma fase da minha vida em que me apaixonei por uma música gravada pelo Trio Irakitan, “Prisioneiro do Mar”. 


Sou prisioneiro das ondas do mar,
de um desejo infinito de amar e de te acariciar.
Vem, vem na praia, o amor vem buscar, 
quando a luz de uma estrela brilhar. 
Só você hei de amar. 

Vem, nesta noite de amor, 
que as ondas do mar vão teu rosto beijar. 
Vem, vem na praia, o amor vem buscar. 
Vem tirar-me a angústia de ser prisioneiro do mar.

       Enquanto observo o muro, que aceitaria ser vento para navegar no mar, imagino a canção com outro título, “Parceiro do Mar”, cujo último trecho diria “vem brindar comigo o destino de ser parceiro do mar”. 
-------------
Daslan Melo Lima, diante de uma foto feita por minha amiga Josenira Degroot em Riacho Doce, imediações da Praia da Sereia, Maceió, Alagoas. 
----------
Para ouvir a música: https://www.youtube.com/watch?v=eWOMmBSMQWw


----------

PELO RESTO DA VIDA



          Em meio à celeuma em torno da descriminalização do aborto, uma declaração da cantora luso-brasileira Carmen Miranda (1909-1955), ecoa do passado para que se faça uma reflexão. 
           Disse ela numa entrevista há mais de 60 anos: "Eu nunca faria outro aborto. Arrependi-me o resto da vida por um que fiz. Acho que Deus me castigou depois, não me deixando completar a gravidez em 1948. Durante anos sonhei com o bebê não nascido e nunca mais pude ter outro filho”. 
          É preciso cautela diante de decisões envolvendo mistérios da vida e da morte, a fim de que, pelo resto da vida, o cinza não faça morada em nossos corações. 
--------------------
- Daslan Melo Lima

*****

DE OLHO NO PASSADO - Manchete, ano 15, nº 792, 24 de junho de 1967

ORIENTE MÉDIO, A GUERRA QUE DUROU CEM HORAS - O General Moshe Dayan , ministro da Defesa de Israel e criador da estratégia que levou à derrota, em menos de cem horas, as forças árabes. 
----------


PALMEIRAS, CAMPEÃO DO BRASIL - Esta equipe (Djalma Santos, Pérez, Baldochi, Minuca, Dudu Ferrari, em pé; Dario, Servílio, César, Ademir da Guia e Tupãzinho, agachados) foi uma das muitas versões do Palmeiras no "Robertão", o mais revolucionário de todos os campeonatos brasileiros de futebol. A grande figura do quadro e do certame foi Ademir da Guia, filho do legendário Domingos da Guia, um virtuose da pelota, como o pai. Coube também ao Palmeiras eleger o artilheiro-mor, o jovem César, vindo do Flamengo, que se consagrou como o nais novo homem-gol do futebol brasileiro. Na fase final do "Robertão", a remoçada e veloz equipe do Internacional de Porto Alegre ofereceu alguma resistência ao Palmeiras. Num certo instante da disputa, chegou-se a pensar numa decisão sensacional entre os dois quadros. Prevaleu, porém, a indiscutível categoria palmeirense, restando aos gaúchos o consolo do vice-campeonato. 
----------
Já no primeiro desfile, Sônia mostrou, com muita classe e uma particular suavidade, que era forte candidata ao titulo de Miss Renascença 1967. Após o resultado, a principal concorrente de Sônia, Ione Fernandes, abraça a vencedora. Miss Renascença do ano passado, Elisabete Santos, observa. ***** Reportagem de Carlos Marques. Fotos de Carlos Abrunhosa. ***** Detalhe: Sônia Maria Aguiar ficou em quarto lugar no Miss Guanabara.

AS MEDIDAS DO RENASCENÇA

      Entre as seis candidatas ao título de Miss Renascença, Sônia Maria brilhou desde o começo com muita classe e personalidade. Foi muito difícil, mas afinal o júri se decidiu entre a classe de Sônia Maria Aguiar e a exuberância de Ione Fernandes, escolhendo a Miss Renascença 1967. 
      Os fortes aplausos (havia, no Clube Monte Líbano, até torcidas organizadas) premiaram a beleza suave de uma jovem mulata de  19 anos, amante da pintura e tão sentimental que chorou abertamente ao saber do resultado. Quando Sônia Maria recebeu a faixa das mãos de Elisabete Santos, Miss Renascença do ano passado, os sorrisos de aprovação foram gerais, vindos também da mesa onde se encontravam o governador da Guanabara, Negrão de Lima, e autoridades do corpo diplomático. 
De vestido longo, Ione Fernandes.  Na foto em conjunto, da esquerda  para a direita: Jurema, Sônia, Ione, Vera, Tatiana e Eliane. Todas receberam com simpatia a vitória de Sônia Maria Aguiar, à direita. 

*****

SESSÃO NOSTALGIA - "Miss Universo 1963", uma música de Teixeirinha para Ieda Maria Vargas


Daslan Melo Lima

        São José da Laje, Alagoas, manhã de dezembro de um tempo que se foi. Da casa de um vizinho, através do som de um rádio, vinha a voz do cantor Teixeirinha cantando uma música que enaltecia Ieda Maria Vargas, Miss Rio Grande do Sul, Miss Brasil, Miss Universo 1963. Ao contrário de "Coração de Luto", uma triste canção de três anos atrás, inspirada na mãe do artista  que havia morrido carbonizada, a música que tocava na residência ao lado era totalmente diferente. A musa tinha sido eleita a moça mais bela do universo, trinta e três anos depois da também gaúcha Yolanda Pereira, Miss Universo 1930.

Vítor Mateus Teixeira (1927-1985), Teixeirinha, o "Rei do Disco", cantor, compositor e ator gaúcho. 
  ----------

----------

Miss Universo 1963

Letra e música de Teixeirinha

O Brasil está orgulhoso com a gaúchinha faceira
Num concurso de beleza tornou-se miss brasileira
Ieda Maria Vargas fez vibrar a nação inteira
Depois deu um show de beleza lá pela terra estrangeira.

Ieda Maria Vargas no Brasil estourou a fita
Tem só dezoito anos a mais linda senhorita
Chegou lá no estrangeiro também saiu favorita
Venceu, é Miss Universo, moça mundial mais bonita.

São duas Miss Universo que o nosso Brasil tem
O mundo inteiro já sabe de onde a beleza vem
É do Rio Grande do Sul, não é desfazer ninguém
É que estou orgulhoso por ser gaúcho também.

Com seu traje de gaúcha tornou-se a mais linda flor
Honrando os trajes dos pampas de gaúcho peleador
Alguns gaúchos do asfalto que ao traje não dá valor
Mas viu que a gauchinha honra o traje, sim senhor

Eu sei, não foi só o traje que lhe tornou vencedora,
Com qualquer traje moderno ela era merecedora.
É que a nossa gauchinha na beleza é professora,
No ginásio das mais lindas promovida à diretora

Salve a Miss Universo Ieda Maria Vargas
Quando soube que vencestes, meu revólver deu descargas
Aos teus pais e teus irmãos Deus não dê horas amargas
Ieda honraste o Rio Grande do chapéu de abas largas

Vamos dar um viva para Ieda Maria Vargas, pessoal!



----------


         Timbaúba, Pernambuco, tarde da última quarta-feira, 08 de dezembro de 2018. Do celular, através do som do WhatsApp, uma mensagem do meu amigo Roberto Macêdo dizia: "Você já viu isso?", acompanhada deste link


       A emoção tomou conta do menino que um dia eu fui quando cliquei no endereço e a música, na voz de Teixeirinha, graças ao milagre da tecnologia, inundou o ambiente: 
"O Brasil está orgulhoso com a gaúchinha faceira / Num concurso de beleza tornou-se miss brasileira / Ieda Maria Vargas fez vibrar a nação inteira / Depois deu um show de beleza lá pela terra estrangeira." 
       Ouvir a canção com imagens de Ieda Maria Vargas, nossa eterna Miss Brasil, Miss Universo 1963, lembrou um sonho de criança. 

*****

--------
Fotos de Ieda Maria Vargas: reproduções da revista Manchete
----------

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

É agosto outra vez


     

     O mês rima com gosto, mas os supersticiosos se benzem à simples menção de agosto, que também rima com desgosto. 
   Não há o que temer. O destino coloca em nossa caminhada, independente do mês, situações amargas e doces, todas elas com um propósito para a nossa evolução espiritual.
     É agosto outra vez. Meu pé de manga-rosa garante que a próxima safra dos seus frutos será generosa. Entrego o oitavo mês do ano nas mãos de Deus e sonho com o doce das minhas mangas-rosa, quando setembro vier.
     É agosto outra vez. Assim Seja! 


----------
- Daslan Melo Lima

DE OLHO NO PASSADO - Manchete, ano 16, nº 879, 22 de fevereiro de 1969


BAILE DO IATE NAS ÁGUAS DO CARNAVAL - Alegria do carnaval carioca no Baile do Havaí, no Iate Clube. Foto de Antônio Rudge. 
---------
HELGA, UM ESTOURO DE BILHETERIA - A atriz alemã Ruth Gassmann, protagonista de dois filmes que bateram recordes de bilheteria em todo o  mundo - Helga e Helga e Michel - veio ao Rio de Janeiro fazer a terceira fita da série. Foto de Walter Firmo. 
----------

FEE, UMA FADA NO CARNAVAL  - Quando ela veio pela primeira vez ao Rio de Janeiro, em 1967, como Miss Alemanha, para desfilar no Maracanãzinho, só sabia uma palavra de português: Pelé. Agora, cheia de saudades do Rio, Free von Zitzewitz voltou para brincar no carnaval. 
      Prima da modelo Veruschka, Fee é filha de um alto oficial do exército alemão. Nascida perto do mar, no norte da Alemanha, e morando atualmente em Munique, ela é muito mais brasileira do que muita gente: usa uma figa da Bahia no pescoço e já comeu camarão à baiana. 
       Fee, que em alemão que dizer fada, não queria de maneira nenhuma ser miss. Quando dizia não, os amigos tentavam convencê-la dizendo que era só por diversão. Mas de diversão ela não viu nada como Miss Alemanha. Só agora de fato está gozando a vida, depois que passou o cetro para outra loura de olhos verdes.  
                                 ----------
IATE, A NOITE DAS HAVAIANAS - A Noite do Havaí deu o tom para o carnaval carioca de 1969: alegria máxima, beleza em esplendor e colorido deslumbrante. Em meio à bela decoração tropical, as mulheres pareciam mais lindas que nunca. Foi uma noite realmente inesquecível. Uma das mulheres mais lindas da festa era Maria da Glória Carvalho, Miss Guanabara, terceiro lugar no Miss Brasil e Miss Beleza Internacional 1968.
                                 ----------

NO TEATRO MUNICIPAL - Para desmentir a crença de que São Paulo não é de carnaval, a prefeitura paulistana gastou 300 mil cruzeiros novos em prêmios e decoração, mas o dinheiro foi bem aproveitado: quatro mil pessoas lotaram o Teatro Municipal num dos bailes mais animados de todos os tempos. Ângela Carmelia Stecca, Miss Minas Gerais, Vice-Miss Brasil e nossa representante no Miss Mundo 1968, era uma das oito misses convidadas para a festa.
---------
Propaganda das Camisas Torre, confeccioinadas com tecidos de algodão sanforizado e tergal do próprio Cotonifício da Torre S.A., uma empresa pernambucana do bairro da Torre, Recife, com a colaboração da Sudene, BNB e Carin. 
*****