a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 633, referente ao período de 20 a 26 de agosto de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefone: (81) 9.9612-0904 (Tim). ***** WhatsApp: +55 81 9.9612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

sábado, 24 de maio de 2008

SESSÃO NOSTALGIA - Maria Isabel de Avelar Elias, Miss Sergipe, Miss Brasil Mundo 1964

Por Daslan Melo Lima
Maria Isabel de Avelar Elias nas capas das revistas O Cruzeiro e Fatos & Fotos
               Era uma quinta-feira, 27 de novembro de 1945, na cidade de Alfenas, sul de Minas Gerais , distante 379 km de Belo Horizonte, quando uma garotinha nasceu, para alegria de uma jovem senhora e de um respeitado e prestigiado funcionário do Banco do Brasil. Aquela menina recebeu o nome de Maria Isabel de Avelar Elias e estava predestinada a ser eleita a quarta mulher mais bela do mundo de 1964.  Dezenove anos depois, quando a família morava em Aracaju, cidade para onde o seu pai havia sido transferido, aquela garotinha, agora uma jovem linda, inteligente, simpática e cheia de classe e charme, aceitou convite para disputar o Miss Sergipe. Foi eleita em 20/06/1964, no Iate Clube Sergipe, clube que representava, derrotando quatro concorrentes : Miss Clube dos Diretores Lojistas, Elza Góes Lisboa; Miss Universitários, Alda Maria Simonetti Maia (eleita Miss Pernambuco no ano seguinte); Miss Lagarto, Lídia Margarida Fontes e Miss Vasco Esporte Clube, Brasilina Chagas.


O Top 3 do Miss Brasil 1964. Da esquerda para a direita: Vera Lúcia Couto Santos, Miss Guanabara, segunda colocada; Angela Vasconcelos, Miss Paraná, primeiro lugar; e Maria Isabel de Avelar Elias, Miss Sergipe, terceira colocada. ***** Foto: revista Manchete.

Marisa Isabel em traje de banho. Foto: Manchete
          Vencida a fase estadual, eis Maria Isabel no Maracanãzinho, na noite de 04/07/1964, diante de um júri exigente e de um público numeroso, na disputa do Miss Brasil, ao lado de 23 misses. Na comissão julgadora estavam: Pomona Polotis, Tônia Carrero, Acioly Neto, Mitzi de Almeida Magalhães, Oscar Santamaría, Edite Piano Guimarães, Leão Veloso, Eda de Luds, Hélio Beltrão, Edílson Varela e Justino Martins
     A comissão deveria apontar apenas oito finalistas, mas por exigência de Tônia Carrero, que tinha gostado muito de Ana Maria Carvalhedo, Miss Ceará, foi eleita mais uma. Por ordem de classificação, as nove finalistas foram as representantes de Paraná (Ângela Tereza Pereira Reis Neto Vasconcelos); Guanabara (Vera Lúcia Couto Santos); Sergipe (Maria Isabel de Avelar Elias); Pernambuco (Ana Maria Costa Caldas); Rio Grande do Norte (Neli Cavalcanti Padilha, a preferida de Ângela Vasconcelos); Estado do Rio (Cecília Rangel Martins da Rocha); Rio Grande do Sul (Rosa Maria Gallas); Minas Gerais (Marília de Dirceu Silva, dona de um rosto que lembrava muito o da atriz italiana Sofia Loren); e Ceará (Ana Maria Carvalhedo).



Maria Isabel em traje típico-Foto: Manchete
          Na generosa edição sobre o concurso, a revista Fatos & Fotos, de 11/07/1964, comentou:


           “Qualquer uma delas tinha classe para representar o Brasil. Nunca houve tantas candidatas com tantas chances para arrebatar o título. 50 mil espectadores, no Maracanãzinho, foram unânimes em aplaudir a decisão do júri que consagrou Miss Paraná. Quando os jurados apontaram o nome de Ângela Teresa Vasconcelos - uma carioca que reside há 15 anos no Paraná – como a representante máxima da beleza brasileira em 1964, houve um delírio no Maracanãzinho. Vera Lúcia Couto Santos, Miss Guanabara, e Maria Isabel Avelar Elias, Miss Sergipe, foram as outras duas grandes vencedoras. O público estranhou a ausência de Miss Pernambuco, Ana Maria Costa Caldas.
           “Antes do desfile, a maior torcida era a de Miss Guanabara. Quando Miss Paraná desfilou com seu vestido justo, bordado de pedrarias, encontrou uma rival. A eleição de Vera Lúcia Couto Santos, Miss Guanabara, para o segundo lugar, estabeleceu polêmica entre o público. Mas Maria Isabel Avelar Elias, Miss Sergipe, agradou em cheio para o terceiro lugar. Miss Paraná teve 96 pontos, na contagem final. A segunda colocada, Miss Guanabara, 79, e a terceira, Miss Sergipe, 70. Maria Isabel ficou satisfeita com o terceiro lugar. “Se eu tivesse no júri, também votaria em Ângela e Verinha.” – disse ela.”


          No domingo, 05/07/1964, quando a revista O Cruzeiro promoveu o Baile da Coroação da Miss Brasil no Santapaula Quitandinha Clube, em Petrópolis, prestigiado por 3 mil pessoas, em depoimento a Hélcio Jose, publicado em O Cruzeiro, de 1º/08/1964, Maria Isabel de Avelar Elias declarou:


          “Meu sonho era conhecer a Europa. Parece que me preparei. Há 4 anos estudo inglês, não com acento oxfordiano, porém no Instituto Brasil- Estados Unidos. Agora vou cadenciá-lo britanicamente. Outro sonho meu é ser pintora. Terminado este reinado de sonho e encantamento, vou ingressar, quando voltar para Aracaju, na Escola de Belas Artes. E seguir meu Normal (estou no 2º ano), cursar Filosofia – quero estudar línguas neolatinas - prosseguir nos estudos de piano e acordeão, frequentar o Iate Clube, vir ao Rio passar minhas férias (como o faço habitualmente) e finalmente concluir o conhecimento completo de todas as capitais brasileiras: já viajei por todos os estados, à exceção do Amazonas.”

          Dona de uma beleza doce e tranqüila, Maria Isabel tinha 1,70m de altura, 92 cm de busto, 92 cm de quadris, 59cm de cintura, 59cm de coxa, 21 cm de tornozelo, olhos castanhos, cabelos longos e um sorriso meigo e simples. Fotografava muito bem, tanto que foi eleita a Miss Fotogenia do Miss Brasil. Adorava doce de coco sergipano e levou para Londres seu traje típico de vaqueiro, eleito o mais belo do Miss Brasil. Fazer e manter amizades eram o seu forte e se tornou amiga da gaúcha Ieda Maria Vargas, Miss Brasil e Miss Universo 1963, e de Maria Tereza Boblitz, Miss Maranhão. Do seu modo, com muita tranqüilidade, preparou-se intensamente para o Miss Mundo. Em uma bela casa situada na praia da Atalaia, tomava banho de mar e piscina, fazia sauna e exercícios físicos e relaxava indo com o pai e a mãe para assistir no cinema os filmes policiais que adorava.

O Top 5 do Miss Mundo 1964 - Da esquerda para a direita, Miss Nova Zelândia, Lyndal Ursula Cruikshank, quinto lugarMiss Taiwan, Linda Lin Su-hsing (terceira colocada); Ann Sidney, Miss Reino Unido (primeiro lugar); Ana Maria Soria, Miss Argentina (segunda colocada); e Maria Isabel de Avelar Elias, Miss Brasil, quarto lugar.

          Para satisfação de 100 milhões de brasileiros, população estimada no primeiro ano da ditadura militar, em 12/11/64, 15 dias antes de completar 19 anos de idade, Maria Isabel de Avelar Elias conquistava um honroso quarto lugar no Miss Mundo, em Londres. Foi a melhor colocação até então conseguida por uma brasileira naquele concurso. Concorrendo com 41 candidatas, perdeu apenas para Ann Sidney, Miss Reino Unido (primeira colocada); Ana Maria Soria, Miss Argentina (segunda), e Miss Taiwan, Linda Lin Su-hsing (terceira colocada).


          Maria Isabel de Avelar Elias, a mineira de Alfenas que levou o nome de Sergipe, o menor estado nordestino, para o mundo, deve guardar com carinho as edições das revistas onde foi capa, como as que ilustram esta matéria, O Cruzeiro, de 1º/08/1964, e Fatos & Fotos, de 03/10/1964. E ao mostrá-las aos seus descendentes, com aquele mesmo sorriso simples e doce de outrora, imagino que, com saudades e orgulho, deve falar assim: - Esta sou eu, a quarta mulher mais bela do mundo de 1964.

*****

Um comentário:

Luiz Ricardo disse...

Maria Isabel é, a meu ver, uma das mais lindas representantes brasileiras junto ao Miss Mundo!