a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 629, referente ao período de 23 a 29 de julho de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefones: (81) 9.9612-0904 (Tim). ***** WhatsApp: +55 81 9.9612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

sábado, 20 de setembro de 2014

DE TIMBAÚBA PARA O MUNDO - A aurora de Ode

A AURORA DE ODE


Daslan Melo Lima

        No domingo, 14, véspera do dia consagrado a Nossa Senhora das Dores, Deus convocou Maria Ode Barbosa Mendes da Silva, viúva do educador José Mendes da Silva, para uma nova missão em outra dimensão. 
      Na tarde do dia seguinte, enquanto pessoas acompanhavam o cortejo fúnebre, outras se concentravam na Praça do Centenário para acompanhar a procissão da padroeira. Nada mais emblemático, Ode e Nossa Senhora, expressões distintas do Senhor do Universo, guardião dos mistérios da Vida e da Morte. 
          No cemitério de Santa Cruz, fotografei o Sol que desaparecia para nascer em outro lugar. Crepúsculo vespertino aqui, aurora acolá. 
  ----------

ALGUNS DEPOIMENTOS SOBRE A PASSAGEM DE ODE

"As ideias ensinadas e aprendidas se desdobram em sementes que frutificam no tempo e repercutem na eternidade." - Faixa na Praça João Pessoa, centro de Timbaúba, uma homenagem da Secretaria de Educação a  Maria Ode.

Ana Lygia Bezerra -  D. Ode cumpriu muito bem a sua missão aqui na terra e hoje está ao lado do Pai.
Clarice Araújo Ribeiro - Que Deus ilumine a nossa Ode,  pessoa que deixou um exemplo de vida e de amor que mantinha no coração por Edna, sua sobrinha e  filha.  O nosso  ontem é qual sombra esperando o  sol de hoje para a claridade do  amanhã. Que  essa claridade seja a luz que ilumine a inesquecível Ode.
Gildete Soares - Na trajetória de casa para o Colégio Timbaubense, ela viveu grande parte da sua vida, mas poucos sabem o quanto Ode ajudou alunos como eu a realizar o sonho de estudar e se formar. Nunca esqueci o que ela e Edna fizeram por mim, contribuindo para   eu ser o que sou hoje.
Jeruza Gouveia - Minha família tem muito o que agradecer a dona Ode. Ela foi uma segunda mãe para meus irmãos José Maria, Fernando e Walter. Quando eles eram adolescentes foram internos na casa dela para que pudessem estudar, pois morávamos no engenho. Hoje, eles moram na casa do PAI e tenho certeza que irão se encontrar com dona Ode.
Katiane Galvão - Tia Ode deixou uma lacuna enorme para mim e toda minha família. Saudade eterna.
Raquel Ferreira LimaO que falar de uma pessoa tão maravilhosa na minha vida e dos meus irmãos? A ela agradecemos por ter dado todo o apoio necessário a nossa mãe, Monica, na nossa criação. Tia-vó sempre presente em nossas vidas em todos os momentos! Lembrar da minha infância é  lembrar da casa de tia Ode, da casinha de boneca, das chupetinhas de açúcar que esperávamos no sábado quando ela retornava da feira! E assim vou viver o resto da minha vida com a saudade! "A saudade é uma forma de amar". 
----------

 EM MEMÓRIA DE ODE 

Depoimento de Ana Glória Araújo, nutricionista timbaubense radicada no Recife.

       Os pais de Ode tinham uma propriedade vizinha à dos meus avós maternos. D. Santa, matriarca da família, era sobrinha de Tranquelino e Minervina Barbosa de Moura, meus avós maternos. Minha mãe, Maria da Glória, Glorinha Monteiro, foi escolhida para ser afilhada de consagração de D.Santa. Minha mãe e madrinha Ode foram criadas na comunidade Cruz do Cabloco. Elas estudaram na escola que vovô construiu para alfabetizar as crianças da Cruz,   tendo como professoras Carminha Apolinário e Amara Moura. Na época em que a escola foi criada, Timbaúba pertencia ao município de Itambé. Todas as cadeiras, como chamavam na época as vagas das professoras, eram pertencentes ao município de Itambé.
      Na adolescência houve influência de Odete, sua irmã gêmea, e Glorinha para o casamento de Ode com José Mendes. Na festa do segundo aniversário do meu irmão Antonio Monteiro, meu pai Joel Monteiro foi o cupido para a união de Ode e José Mendes. A união desse casal deu frutos grandiosos para Timbaúba.
        Na casa do casal foi construído um internato para acolher os filhos dos donos de engenhos e cidades vizinhas, uma estrutura que acolhia com muita ordem e disciplina verdadeiros cidadãos que até hoje são exemplos brilhantes. Ode e D. Santa eram responsáveis pela alimentação dos internos. Ode supervisionava todas as tarefas e também orientava os horários de lazer. Tinha hora para acordar, estudar, fazer refeições e dormir. Todos iam em fila para o colégio diariamente com muita ordem e disciplina.
      Quando cheguei ao mundo já tinha meus padrinhos: José Mendes, Ode Mendes e Edna. Eles ajudaram na minha formação e participavam intensamente das minhas conquistas. Ode Mendes foi minha segunda mãe. Senti muita sua partida, mas tenho certeza que está na LUZ. Eternas saudades.
----------
ODE, O ENTARDECER DE UMA CANÇÃO

Crônica de Josafá de Freitas, executivo timbaubense radicado em São Paulo, SP.
      Não, não é difícil compor uma oferenda à memória de uma pessoa querida. As palavras adequadas, precisas, aquelas que se traduzem em conforto, que acalentam os parentes e os amigos, chegam à imaginação com a  fluidez das gotas das lágrimas por elas derramadas.
      É fácil falar de uma criatura cujo espírito era bondade, cuja alma era cheia de altruísmo, difícil é saber se a homenagem vai atingir e confortar os que ficam olhando a casa vazia, e amargando o silencio da voz que para sempre se calou e a dolorosa falta daquela companhia, na casa agora vazia, enlutada por um definitivo adeus, pois afinal a dor tem que passar, mesmo sendo agora uma dor sem fim.
      Como é cruel dizer adeus àquelas pessoas que tanto amamos, com quem convivemos, que fizeram parte de nossa vida, que nos ensinaram tantas coisas, inclusive a viver. Isso é quase sobre-humano, mas reconheçamos que é parte da vida. A morte é triste, mas só existe na vida. É muito difícil lidar com essa ''saudade que dói'', mas o tempo, senhor da verdade, há de fazer essa saudade ficar gostosa de sentir, ao trazer as lembranças boas das histórias que vivemos ao lado de quem partiu, pois devemos nos conscientizar de que nossa vida continua, e quem nos deixou nem por isso deixará de fazer parte de nossa vida para sempre.
      Quais as recordações da ''aurora de sua vida'' que uma criança levará por toda sua existência, que não incluam as imagens dos seus pais, e, mais que tudo, não contemplem a figura santificada de sua mãe? Mãe; essa certeza de ser, essa verdade revelada, essa fortaleza inexpugnável, essa emoção incontida, que nos acompanhará depois para sempre, de todas as formas, em nossas vidas, mesmo depois de já não estar mais conosco, e, ainda assim, realizando o milagre de não sair do nosso lado.
      ODE, que detinha em seu nome o significado de um canto, do lirismo, da poesia, cultivou em seu coração esse sentimento materno em profundidade, sem tamanho, ''adotando'' incontáveis pequeninos, filhos que a maternidade natural não lhe deu, pois o Criador tinha em Seus Planos uma missão sublime para ela, ao lado do Pai José Mendes da Silva; tomar pelas mãos e encaminhar para a vida milhares de criaturinhas, que no futuro iriam olhar para o céu e dizer, como EDNA MORAIS: ''ODE, NUNCA VAMOS TE ESQUECER''!
  -----------
CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA POR MARIA ODE

      Às 16h deste sábado, 20, a Igreja de N.S.da Conceição, no bairro de Mocós, foi o cenário da celebração Eucarística  por Maria Ode Barbosa Mendes da Silva (*03/10/1924 + 14/09/2014). A Missa foi celebrada pelo padre Marcos Lucena da Fonseca



A primeira música a ser cantada foi A Barca, "Tu, te abeiraste na praia / Não buscaste nem sábios nem ricos, / somente queres que eu te siga! / Senhor, tu me olhaste nos olhos, / a sorrir, pronunciaste meu nome, / lá na praia, eu larguei o meu barco, / junto a Ti buscarei outro mar..."  ***** Logo em seguida, muita emoção quando todos começaram a cantar aquela canção que fez muito sucesso na voz de Tim Maia: " Não sei porque você se foi / Quantas saudades eu senti / E de tristezas vou viver / E aquele adeus não pude dar / Você marcou a minha vida / Viveu, morreu na minha história / Chego a ter medo do futuro / E da solidão / Que em minha porta bate / E eu.../ Gostava tanto de você / Gostava tanto de você..."


O padre Marcos Lucena citou Ariano Suassuna ("Tudo que é vivo morre"); Renato Russo ("É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã") e Confúcio ( "Quando nasceste, ao teu redor todos riam, só tu choravas. Faze por viver de tal modo que, à hora de tua morte, todos chorem, só tu rias"). Também fez referência a um dos mais consoladores versículos da Bíblia: "Na casa do Pai há muitas moradas."
Celma Lúcia Vasconcelos deu um testemunho sobre a Ode que conheceu, uma mulher que não teve filhos biológicos, mas  que soube canalizar seu amor e seu carinho para os sobrinhos e os educandos do Colégio Timbaubense, fundado em 1934 pelo professor José Mendes da Silva (1905-1974). ***** Depois de Celma Lúcia, o padre Marcos Lucena assim se expressou: "Nem sempre quem gerou no seu físico, gerou no seu coração. Gerar no coração exige humildade." 

Á esquerda, Izir e a esposa Edna Morais, sobrinha e filha do coração do casal José Mendes da Silva-Maria Ode Barbosa Mendes da Silva.
a


----------
  ODE, AMOR INCONDICIONAL


"Tia Ode, queria que Deus permitisse que tudo que aconteceu fosse um sonho..." Assim começou o testemunho de Edna Morais, cujo trecho constava no impresso da celebração e na lembrancinha.
                                 ----------
                       ABENÇOADA AURORA DE ODE
O texto original da crônica A Aurora de Ode, postada no Facebook no dia 15/09, foi reproduzido na contracapa do roteiro da celebração.
Ao término da  Celebração Eucarística, era possível  constatar que o Sol desaparecia para nascer em outro lugar. Crepúsculo vespertino aqui, aurora acolá. Abençoada aurora de Ode. 

*****

5 comentários:

Anônimo disse...

Daslan:

Muito obrigada pela sua homenagem que você fez pela minha madrinha Ode.
Teotonio gostou muito das fotos da missa e do cemitério.

Parabéns pelo presente de DEUS- sua sensibilidade - e sua missão em Timbaúba-PE.

Grande POETA.

Ana Gloria,Teotônio e Glorinha.

Anônimo disse...

>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Via FACEBOOK
>>>>>>>>>>>>>>>>>

Daslan,

Muito obrigada por todas as homenagens que você fez a minha querida e eterna Tia Ode! Com os depoimentos que li no seu blog me deixaram feliz, em vê que ela cumpriu sua missão aqui de uma forma inesquecível!

Difícil demais perder uma pessoa que tanto amava! A saudade dói e machuca bastante!

Obrigada!

Raquel Ferreira Lima

Anônimo disse...

José Ricardo Souza e Silva, Rio de Janeiro, via e-mail
>>>>>>>>>>

Uma vida longa, uma trajetória de vida bonita...
Não resta dúvida que ela já está na Aurora de um mundo bem melhor.

>>>>>>>>>>

Unknown disse...

Daslan, agradeço a homenagem feita a tia Ode, merecedora disso e muito mais, onde passou deixou a sua marca, jamais será esquecida. Juliana, Katiane, Raquel e Antonio Galvao Neto.

Anônimo disse...

~E,Daslan,você emociona!Parab´nes por mais uma homenagem auqi no seu blog.Abraços,Japão