a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 641, referente ao período de 15 a 21 de outubro de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefone: (81) 9.9612-0904 (Tim). ***** WhatsApp: +55 81 9.9612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

sábado, 4 de setembro de 2010

SESSÃO NOSTALGIA - Valda Maria Franqueira, Miss Objetiva Internacional 1969

Daslan Melo Lima


       Uma associação que congregava fotógrafos profissionais paulistas promoveu durante muitos anos o concurso Miss Objetiva do Brasil-Miss Objetiva Internacional, espécie do Miss Brasil-Miss Universo em tom menor, com uma seletiva nacional e outra internacional, ambas na capital do Estado de São Paulo.
          
          O Miss Objetiva dava ênfase à fotogenia das concorrentes, afinal era promovido por fotógrafos e o termo objetiva, na linguagem fotográfica, na definição do Dicionário de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira (1910-1989) significa a peça da parte anterior de máquina fotográfica, formada de lentes fixadas por uma armação com diafragma. Uma expressão era muito usada outrora:  "X posou para a objetiva do fotógrafo Y", a palavra objetiva usada como sinônimo de máquina fotográfica.

Várias garotas maravilhosas fizeram sucesso na passarela do Miss Objetiva, tais como: 
Carmen Teresinha Lucca (Miss Objetiva do Brasil e Miss Objetiva Internacional 1963); 
Nádia Lins de Albuquerque (Miss Objetiva do Brasil e vice-Miss Objetiva Internacional 1968); 
Valda Maria Franqueira (Miss Objetiva do Brasil e Miss Objetiva Internacional 1969); 
Rosângela Carvalho Monteiro da Silva (Miss Objetiva do Brasil 1971);
Fátima Antunes (Miss Objetiva do Brasil e vice-Miss Objetiva Internacional 1972).  
---------
Carmen era gaúcha; Nádia, Rosângela e Fátima, pernambucanas; Valda era de Minas Gerais. Carmen e Fátima já foram homenageadas na Sessão Nostalgia. Esta semana, estou resgatando um pouco da história de Valda, um dos rostos mais expressivos e famosos do final da década de sessenta e dos primeiros anos da década seguinte.


VALDA, MOÇA OBJETIVA

Valda Maria Franqueira, Miss Objetiva do Brasil e Miss Objetiva Internacional 1969. Capa da revista O CRUZEIRO,  30/10/1969.

               Não foi surpresa. Quando,  pela primeira vez, ela desfilou para a platéia do Clube Jaraguá, em Belo Horizonte, poucos duvidaram de que ela conseguisse o título de Miss Objetiva 1969. A torcida do Cruzeiro,  em peso, aplaudindo  sua candidata. Após a festa, Valda Maria Franqueira era apontada sem discussões para representar Minas Gerais no concurso nacional. Onde já entrava como favorita.
Miss Objetiva do Brasil e Miss Objetiva Internacional 1969. (O Cruzeiro, 30/10/1969)

           A história se repetiu na noite de sábado, dia 18, no Clube Paulistano. Lá, disputando com as candidatas dos outros estados, Valda levou para Minas a vitória.
          Quando Valda esteve nos Estados Unidos foi convidada para trabalhar no cinema. Não aceitou. ”Em relação ao cinema, diz ela, prefiro ser apenas uma espectadora tranqüila e sem compromisso.”
          Seu prêmio de Miss Objetiva inclui viagens, algumas viagens com que ela sempre sonhou. Valda pensa em visitar países distantes. Japão, por exemplo. Depois das passarelas, voltará a freqüentar seus clubes mineiros, praticar seu esporte – volei – e estudar:   “Gosto de ser Miss. Mas quero mesmo é ser médica.”

VALDA VENDE TUDO O QUE ANUNCIA
Valda Maria Franqueira na capa da revista Manchete, 13/10/1973
                Valda Maria Franqueira em 1969, seduziu com seu rosto fascinante todos os jurados do concurso Miss Objetiva Internacional, realizado em São Paulo. E ganhou para o Brasil mais um título. Hoje, é o modelo mais disputado pelas agências de propaganda de Minas Gerais. No entanto, Valda permaneceu uma moça simples e doce, à mineira. Não quer ser apenas mais uma miss, num planeta abarrotado de belezas premiadas. Atualmente, ela cursa o terceiro ano de Medicina da Universidade Federal de  Minas Gerais, pretendendo se formar em Psiquiatria infantil.
          Iniciou sua carreira de manequim em 1964, descoberta pela  Denison Propaganda, que a contratou para participar das campanhas publicitárias de uma grande loja de Belo Horizonte.   O sucesso foi imediato. Não havia consumidor que resistisse ao meio – o rosto lindo de Valda – que comunicava a mensagem. Mais tarde, ela se inscreveu no concurso de Miss Objetiva e ganhou sucessivamente – sem cansar a beleza – todos os títulos de Minas, do Brasil e – também – do Mundo, entre 50 candidatas de todas as nacionalidades.

Valda Maria Franqueira  (Manchete, 13/10/1973)
           Dedicada aos estudos, Valda passou algum tempo afastada das câmaras, mas, recentemente, aceitou participar de uma grande campanha publicitária para a loteria de Minas. Impondo sua graça e seu charme, Valda dizia no vídeo e nas telas de cinema: “A Mineira (Loteria) só sai para mineiros.” As vendas imediatamente se multiplicaram. Agora, todos os publicitários de Minas têm planos para Valda. Ela continua firme no seu: consertar as neuroses infantis como psiquiatra especializada. Parece que sua beleza contribuirá para o tratamento e as curas.
(Manchete, 13/10/1973. Detalhe: no texto original, o nome da Miss Objetiva Internacional 1969 foi escrito com a letra W, Walda.)

----------

           Valda Maria Franqueira chegou a fazer cinema. Ganhou um papel no filme Sagrada Família, dirigido pelo seu conterrâneo Sylvio Lanna, mas ser atriz e viver  na frente das câmaras por longo tempo não era o seu objetivo. Para a Miss Objetiva do Brasil e Miss Objetiva Internacional 1969, o objetivo era ser médica, cuidar das crianças com uma determinação superior  àquela que a fez ser uma das jovens mais fotografadas do Brasil.

*****

6 comentários:

DASLAN MELO LIMA disse...

Comentário de Muciolo Ferreira, jornalista, via e-mail
>>>>>>>>>>

Daslan,

a história da mineira torcedora do Cruzeiro Esporte Clube, Valda Maria Franqueira, se confunde com o sonho de outras tantas brasileiras maravilhosas que brilharam em nossas passarelas nos saudosos anos 60.

Lembro bem do rosto bonito, fotogênico e marcante dessa mineira de Belo Horizonte que deixou para trás cerca de 100 mil garotas de todo o país que havia se inscritos, por meio dos Correios e Telégrafos, enviando fotos para a Bloch Editores. O concurso seria para estrelar uma fotonovela da revista Sétimo Céu tendo como galã o cantor Taiguara.

A vencedora interpretaria o personagem central da história intitulada "Seja Estrela de
Sétimo Céu em Hollywood", com locações em Belo Horizonte e na capital do cinema americano. Depois não sei se ela chegou a disputar o Miss Minas Gerais para o Miss Brasil. A reencontrei no Programa de Chacrinha como a Mais Bela Estudante do Brasil.

No final dos Anos 60, apenas duas jovens despertaram as atenções do país pela beleza facial e plástica, e foram justamente as de quem mais gosto: Maria Helena Leal Lopes e Valda Maria Franqueira.

Uma bela e nostálgica recordação que você evoca nesse início de primavera brasileira, mas já com o calor do verão nordestino.

Uma semana iluminada aos leitores do Passarela Cultural.

Muciolo Ferreira - direto do Recife
>>>>>>>>>>

Anônimo disse...

A Dra. Valda Maria Franqueira Mendonça é uma médica conceituadíssima em Belo Horizonte.

Seu nome é um orgulho de Minas Gerais, Estado que já deu ao Brasil tantas Misses inesquecíveis, como Stael Rocha Abelha, Eliane Guimarães, Marisa Fully Coelho, Nayla Micheriff, Natália Guimarães...

Parabéns por trazer para o presente o passado glorioso da Dra. Valda Maria.

J.S.Silva de BH-Minas

DASLAN MELO LIMA disse...

Outro comentário de Muciolo Ferreira, jornalista, Recife-PE, via e-mail
>>>>>>>>>>

Daslan,

eu tinha muito mais para relatar sobre a Valda, inclusive sobre a música composta pelo Taigura que deu título a história da fotonovela chamada "Helena, Helena" (personagem da Valda). E naquela promoção a segunda colocada do concurso da revista Sétimo Céu foi uma carioca, loura, altíssima, chamada Virgínia Peres Testoni, que também viajou aos Estados Unidos para as locações e na fotonovela viveu uma amiga bastante interesseira, uma espécie de vilã da Helena.

Virgínia, em 1969 ou 1970, me foge o ano, disputou o Miss Guanabara representando o Clube da Vila da Feira, mas não se classificou entre as oito finalistas.

Muciolo

>>>>>>>>>>

Fabiano Rabêlo disse...

Muito bom poder reencontrar minha tia Valda, e datalhe, pela internet! Nunca imaginei que ela havia feito tanto sucesso. Como Médica, sei que ela é um exemplo de amor à profissão, profissionalismo puro - cuidou muito bem de mim,kkk. Como modelo, sem comentários,,,foi uma Estrela, muito linda! Parabéns pela matéria. Fabiano Rabêlo.

Cassio Lima K. disse...

Dra. Valda Maria Franqueira, é a mãe da linda apresentadora da TV Cultura SP/Rede Minas a Juliana Franqueira

Sonia Vasconcelos disse...

Gostaria de ver fotos da Miss Objetiva 1970 e candidatas dos estados!