a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 633, referente ao período de 20 a 26 de agosto de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefone: (81) 9.9612-0904 (Tim). ***** WhatsApp: +55 81 9.9612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

SESSÃO NOSTALGIA - ROSSANA GALLI, MISS ITÁLIA 1956, LEMBRANÇAS QUE ACORRENTAM

Daslan Melo Lima

          Roma amanheceu cheia de cartazes naquele dia claro de julho de 1956, quando a bela Rossana Galli, Miss Itália, embarcou no aeroporto com destino aos Estados Unidos para disputar o título de Miss Universo. Os dizeres dos cartazes diziam :
"Vai, romanina, e mostra-te aos americanos!"
"Vai, romanina, e mostra-te bem!"

          Os italianos apostavam em uma boa classificação de Rossana Galli no Miss Universo. Até então, apenas quatro representantes da Itália tinham se destacado nos concursos internacionais de beleza. Nos anos 20, em Galveston, Texas, Maria Gallo e Lívia Marracci tinham obtido o décimo e o terceiro lugares, no Miss Universo de 1927 e 1928, respectivamente. Em 1953, Rita Stazzi foi semifinalista, a mesma posição alcançada por Maria Teresa Palian, no ano seguinte, no Miss Universo, realizado em Long Beach.

          Rossana Galli não decepcionou a confiança que os italianos depositaram em sua beleza. Foi considerada a quarta jovem mais fotogência e a quinta colocada no Miss Universo 1956.

ROSSANA GALLI, A QUINTA MULHER MAIS BELA DO UNIVERSO


As cinco finalistas do Miss Universo 1956. Da esquerda para a direita:
Miss Inglaterra, Iris Alice Kathleen Waller, quarto lugar;
Miss Alemanha, Marina Orschel, segundo lugar;
Miss Estados Unidos, Carol Laverne Morris, primeiro lugar;
Miss Suécia, Ingrid Goude, terceiro lugar;
Miss Itália, Rossana Galli, quinto lugar.
(Foto: www.pageantopolis.com)


SHOW DE SEX-APPEAL EM NOME DA ITÁLIA

Rossana Galli (19 anos), que representou a Itália no concurso de Miss Universo, deu um show de "sex-appeal" na piscina do Hotel Lafayette, em Long Beach. Aconteceu na semana seguinte à eleição de Carol Morris. Algumas candidatas já haviam regressado. Rossana - era uma manhã de sol e calor - surgiu na piscina com um maiô vermelho e colante. Em volta da piscina havia umas quantas misses que deviam posar para os fótografos de Long Beach. Estavam todas vestidas com maiôs encorpados. Pois Rossana, surpreendentemente, apareceu com sua peça sumaríssima e díafana, deu um mergulho e despontou na borda - era um vulcãozinho gotejando "sex-appeal". Imediatamente, os fotógrafos (uns até sem máquina) correram para a moça, que acabava de se lançar como a nova sensação neo-realista italiana, cumprindo, dessa maneira, à risca, o que lhe recomendavam os cartazes de rua quando ela embarcou em Roma com destino a Long Beach: "Vai romanina, e mostra-te aos americanos."


Quando Rossana Galli deixou a Itália com destino a Long Beach, seus vizinhos lhe exibiram cartazes que diziam: "Vai, romana, e mostra-te bem."


O sensacional aparecimento de maiô colante na piscina de Long Beach, foi o selo do plano de Rossana. La Galli não foi aos Estados Unidos pensando só no título. O plano era fazer um lançamento publicitário.


A piscina está tranquila. La Galli chegou, deu um mergulho, despontou na borda com um sorriso provocante: estava feito o seu lançamento.

La Galli, como a chamam os italianos, é filha de Roma. É modelo profissional, tendo trabalhado no mesmo ofício e na época, no interior da Itália, com a hoje famosa Elsa Martinelli. Seu desembaraço, seu ar agressivo hão de levá-la muito cedo à mais larga popularidade. Sua mãe, que a acompanhou a Long Beach, já dizia durante o concurso: "Minha filha só precisa de asas. A Rossana, só lhe faltam as asas; uma vez tendo-as, ela irá longe."

Enquanto desfilava em Long Beach, o nome de Rossana já merecia comentários da imprensa italiana; a revista Incom publicou, recentemente, uma ampla reportagem a cores com ela. Rossana, "rabo de cavalo" (seus cabelos vão dar o que falar) já é um assunto na Itália e em Long beach, onde MANCHETE acompanhou-lhe os passos, atentamente. Que se cuidem a Gina e a Sofia porque a moça tem tudo para se lançar vitoriosamente no cinema, que é o seu sonho. O busto, o corpo, o sorriso e o nome (La Galli) são uma garantia de êxito para esta romana.

("Show de sex-appeal em nome da Itália" , reportagem de Darwin Brandão e fotos de Armando Rozário. Revista MANCHETE, 11/08/1956)


O CARISMA DE ROSSANA GALLI


O carisma de Rossana Galli levou-as às páginas dos mais importantes jornais e revistas do mundo. Acima, em foto de Hélio P. Lopes, na capa da extinta publicação brasileira Revista do Globo, Ano XXVII, 06/10/1956, Acervo DML.


LEMBRANÇAS QUE ACORRENTAM

Rossana Galli não conseguiu ser atriz de cinema como Gina Lollobrigida e Sofia Loren, mas tornou-se uma das mais famosas e queridas atrizes de fotonovelas do mundo. Guardo com carinho "Lembranças que Acorrentam", fotonovela publicada na revista ILUSÃO, Editora Abril, outubro de 1968, onde Rossana Galli, com seu rosto lindo e expressivo, interpretou o dramático papel de Diana, uma milionária neurótica.



Rossana Galli e Dario Michaelis na fotonovela "Lembranças que Acorrentam" . (Revista Ilusão, outubro de 1968).

          Fui criança e adolescente nos mágicos anos 60 e minhas mais caras lembranças são daquela década.
Lembranças que me levam a um mundo romântico, mais lento e menos competitivo.
Lembranças que me fazem rir e chorar.
Lembranças que acorrentam.

*****

Um comentário:

concilia disse...

saudade de um tempo que ñ volta mais, que saudade, se eu pudesse volta no tempo voltaria aos anos setenta , porque não fazem de novo aquelas revistas seria tão bom principalmente para as pessoas da terceira idade ou melhor idade seria tão bom recordar porque não edita elas de novo era como voltar no tempo para nos que ja passamos dos secenta anos seria tão bom pence nisso com carinho. Beijo concilia