a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 621, referente ao período de 28 de maio a 03 de junho de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefones: (81) 99612.0904 (Tim) e (81) 99277.3630 (Claro) ***** WhatsApp: +55 81 99612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

segunda-feira, 7 de março de 2016

DE TIMBAÚBA PARA O MUNDO - Jader de Andrade, um orgulho timbaubense

Jader de Andrade (1886-1931), jornalista, poeta, industrial, um ícone timbaubense.
__________

 - Secção em construção - 
Aguarde nos próximos dias, a biografia de Jader de Andrade
----------------------

Um comentário:

Jeová Barboza de Lira Cavalcanti disse...

A história de Jader de Andrade é cheia de nuances e dela tenho conhecimento de pouca coisa que a repasso agora: "
JADER DE ANDRADE nasceu na cidade de Goiana (PE), aos 21 de abril de 1886, muito jovem, ainda criança, com apenas cinco anos, com a mudança de seus pais, aporta em Timbaúba, terra que adotou como sua como se nela houvesse nascido. Foi político, empresário, jornalista e poeta; fundou empresas industrial e comercial, jornais e revistas, prédio para instalação da Escola Santa Maria, inaugurou a Usina Elétrica desta cidade, foi um dos sócios fundadores da Usina Cruangi, mas sua grande obra, a maior de todas, foi o “Cine Recreios Benjamim”, santuário da arte e da cultura em nossa terra. Foi nesta casa que Jader de Andrade demonstrou todo o seu talento artístico: como produtor, ator e diretor teatral. Como poeta, tem vários trabalhos e no livro “Musas e Troças” ele brinda-nos com esta relíquia:

“Parece troça, parece,// Mas eu digo, francamente//
Que a gente nunca esquece// De quem se esquece da gente!”

Derrotado politicamente na Revolução de 1930, Jader de Andrade retirou-se de Timbaúba e foi residir em Recife, onde veio a falecer em 01 de outubro de 1931, com apenas 45 anos de idade".
EM TEMPO: Ainda sobre o Recreios Benjamim, temos que lamentar que ao completar 100 anos esteja em pandarecos, justificando plenamente a alcunha "CACARECO......." QUE PENA! Timbaúba não merecia um descaso cultural com estes...
Jeová Barboza de Lira Cavalcanti