a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 624, referente ao período de 18 a 24 de junho de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefones: (81) 99612.0904 (Tim) e (81) 99277.3630 (Claro) ***** WhatsApp: +55 81 99612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

domingo, 23 de março de 2008

SESSÃO NOSTALGIA - Aymée, "a primeira Miss Brasil", e Brício de Abreu, o primeiro missólogo brasileiro

Daslan Melo Lima



          A história do concurso Miss Brasil começou para valer em 1954, com a famosa baiana Martha Rocha, segunda colocada no concurso Miss Universo. Ocorre, no entanto, que antes dela outras jovens ostentaram o título de “a mais bela do Brasil”. 

   Na revista O Cruzeiro, ano XXXVII, de 22/05/1965, Brício de Abreu cita Aymée, como a primeira Miss Brasil, ao lado em foto raríssima, feita nos primórdios da fotografia, em 1869, pelo célebre fotógrafo parisiense Felix Tournecron, conhecido como Nadar, o primeiro fotógrafo comercial do mundo. A imagem foi reproduzida da citada O Cruzeiro.







BRÍCIO DE ABREU

          Luiz Leopoldo Brício de Abreu, ou simplesmente Brício de Abreu, carioca nascido no bairro de Santa Tereza, em 25/08/1903, jornalista, teatrólogo e compositor, falecido em 16/02/1970. Sua principal obra foi publicada em 1963: “Esses Populares Desconhecidos”. Na década de 1930, dirigiu o semanário de letras “Dom Casmurro”. Brício de Abreu trabalhou na organização de concursos de beleza em Paris, de 1929 a 1935, e anos depois, no Rio de Janeiro. 
         Pelo seu interesse, amor, seriedade e dedicação aos concursos de Misses, considero Brício de Abreu o primeiro missólogo brasileiro de todos os tempos
      A partir de hoje, conclamo todos vocês, missólogos do País inteiro, a adotarmos o dia 25 de agosto, data do nascimento de Brício de Abreu, como DIA DO MISSÓLOGO BRASILEIRO. O que acham ? Enviem suas sugestões para o meu e-mail daslan@terra.com.br . Mas agora vamos voltar a falar sobre Aymée.

AYMÉE

          Aymée nasceu em Montjole, na França, em 1845. Tinha 19 anos de idade quando desembarcou do navio “Bearn”, no Rio de Janeiro, em 10/06/1864. Era uma atriz francesa e tinha sido contratada como artista de opereta e canto no primeiro Café - Concerto Brasileiro, inaugurado sete anos antes, na Rua da Vala, mais tarde Rua Uruguaiana, esquina com a Rua do Ouvidor. As canções que interpretava eram cheias de malícia, a exemplo de “Rien N`est Sacrée”, “ Les Noces de Mme. Crac” e “ Je M`en F...” que fizeram um sucesso extraordinário.

          Com “Orphée Aux Enfers”, partitura de Offenbach , ela conheceu a consagração, em 02/02/1865. Foi nessa época que Gryphus, jornalista do “ Diário do Rio” criou uma enquete entre críticos e intelectuais para saber qual era “ a artista mais linda do Rio de Janeiro “ . Não deu outra, venceu AyméeA seu respeito, assim escreveu o célebre escritor Machado de Assis (1839-1908), no prestigiado jornal “Diário do Rio”: É um demoninho loiro, uma figura esbelta, graciosa, meio angelical, uns olhos vivos, um nariz como de safo, uma boca amorosamente fresca, que parece ter sido formada por duas canções de Ovídio, enfim a graça parisiense “toute pure” !

         Popularíssima no Rio de Janeiro, Aymée não foi inteligente para administrar o sucesso e a fama. Conquistou homens de fortuna e levou muitos deles à ruína. As famílias conservadoras, preocupadas com o péssimo exemplo que ela dava à juventude brasileira, protestaram e a pressão foi tamanha que Aymée foi obrigada a voltar para a França. No seu espetáculo de despedida, “La Gran Duchesse de Gerolstein”, houve protestos por sua causa e ela foi vaiada. Os jornais da época registraram que Aymée partiu amuada com os brasileiros, pelas manifestações hostis que esses lhe fizeram na récita de despedida, em revide às “amabilidades” ditas por ela em cena. E assim, de forma escandalosa, terminou o reinado de Aymée


----------

AS PRIMEIRAS MISSES BRASIL 
      
1 - O título de Aymée é questionado pelos missólogos, afinal ela simplesmente foi a vencedora da enquete  “a artista mais linda do Rio de Janeiro “, fato que só ficou conhecido graças a uma crônica do escritor Machado de Assis falando sobre a eleição.
2 - Não há dúvida em apontarmos Violeta Lima Castro, do Rio de Janeiro, como a primeira Miss Brasil de todos os tempos, eleita em 1900. 
3 - Depois de Violeta vieram: Noêmia Nabuco de Castro, do Rio de Janeiro, 1912; Zezé Leone, de São Paulo, 1922; Olga Bergamini de Sá, do Distrito Federal, 1929; Iolanda Pereira, do Rio Grande do Sul, 1930; Ieda Telles Menezes, do Distrito Federal, 1932; Vânia Pinto, do Distrito Federal, 1939, e Jussara Marques, de Goiás, 1949. Há uma distância considerável entre o reinado de uma para outra, motivada por desinteresse de patrocinadores, crises políticas e duas guerras mundiais. 
- Foi em 1954, com Martha Rocha, Miss Brasil e vice-Miss Universo, que o concurso Miss Brasil ressurgiu marcando época, antes e depois da baiana com suas lendárias duas polegadas a mais nos quadris.

*****

4 comentários:

Raimundo Junior disse...

Oi Daslan,
Feliz Páscoa!
Que bom relembrar Aymée, nossa primeira Miss Brasil, você sempre nos presenteando com crônicas maravilhosas. Parabéns! Merci! Vous êtes très gentil!
Raimundo Junior

EVANDRO SILVA disse...

J´ai pas des mots pour vous dire! Extraordinaire et magnifique sa cronique Daslan! Aymèe, même sans nous savoir leur nom de famille, elle est vraiment notre première Miss Brésil. A bien tot!

Anônimo disse...

Parabéns pelo texto... Só fiquei com uma dúvida... Brício de Abreu não era gaúcho?
Saudações...

Roberto Mota disse...

O Alcazar Lyrique, onde reinou Aimée certamente botou o Rio de cabeça para baixo!
Acho até que esta francesa, este demoninho loiro, hoje seria nossa mais bela garota de Ipanema. .. Deveriam abrasileirar esta figura esbelta e graciosa, como bem a imortalizou Machado de Assis.