a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 641, referente ao período de 15 a 21 de outubro de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefone: (81) 9.9612-0904 (Tim). ***** WhatsApp: +55 81 9.9612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

sexta-feira, 26 de junho de 2009

SESSÃO NOSTALGIA - Suely de Mello Veras, Miss Amazonas 1969

Daslan Melo Lima

       Entre as favoritas ao título de Miss Brasil 1969 estava Suely de Mello Veras, Miss Amazonas.
Suely, amazonense, esportiva e intelectual. Nunca o Amazonas concorreu com uma jovem tão típica, bonita e com medidas tão perfeitas. Suely de Mello Veras, Miss Amazonas, tem sangue de índio e espanhóis. Foi lançada pelo Nacional Futebol Clube, cursa o científico, pretende estudar medicina, pratica vôlei e adora ler poesias, em especial as de um poeta amazonense chamado Farias de Carvalho. (Revista Fatos & Fotos)


Na capa da revista Fatos & Fotos, de 10/07/1969, a loura Vera Fischer, Miss Santa Catarina, a morena Suely de Mello Veras, Miss Amazonas, e a loura Mara do Carvalho Ferro, Miss Guanabara. Detalhe: por lapso, a legenda na capa da revista fazia referência às Misses Guanabara, Espírito Santo e Amazonas.

          Vera Fischer, Miss Santa Catarina, a favorita do público, foi a grande vitoriosa do concurso Miss Brasil 1969. Maria Lúcia Alexandrino dos Santos, Miss São Paulo, classificou-se em segundo lugar. O terceiro ficou para Ana Cristina Rodrigues, Miss Rio Grande do Sul, e o quarto lugar para Mara Carvalho Ferro, Miss Guanabara. As candidatas que completaram o grupo das oito semifinalistas foram: Suely de Mello Veras, Miss Amazonas; Marice Vany Galvão, Miss Brasília; Vera Lúcia Camelo, Miss Ceará; e Ana Maria Fajardo Cortês, Miss Minas Gerais.

----------

                                  Suely lembrava Ira de Fustenberg

          Suely de Mello Veras despertou a simpatia do imenso público que lotava o Maracanãzinho. A maioria ficou insatisfeita quando o seu nome não foi anunciado entre as quatro primeiras colocadas. Para o público, ela foi a injustiçada do Miss Brasil 1969.


Suely de Mello Veras no desfile de maiô.(Revista Manchete)
----------
Ira de Fustenberg
---------

          Muitos achavam que o rosto de Suely lembrava o de Ira de Fustenberg, atriz italiana que brilhou nas telas sob a direção de grandes nomes do cinema mundial, como Alberto Lattuada, Robert Hossen, Luciano Emmer, Cesare Zavattini e Luciano Salce, entre outros. Nascida em 1940, em Roma, filha de uma família tradicional, Ira von Furstenberg, tinha 15 anos de idade quando casou com o príncipe espanhol Alfonso Von und zu Hohenlohe- Langenburg(1924-2003). Depois de cinco anos de casada, Ira conheceu o playboy e industrial milionário brasileiro Francisco Baby Pignatari (1916-1977) e com ele veio para o Brasil, onde permaneceu enquanto durou a união conjugal, de 1961 a 1964.


Ira von Furstenberg e Prinz Alfonso von Hohenlohe-Langenburg(Foto: www.whosdatedwho.com)

----------

Suely e a lenda da Tamba-Tajá


Suely de Mello Veras posando com seu traje típico. (Revista Fatos & Fotos)

          Tamba Tajá, o traje típico que Suely de Mello Veras usou no Miss Brasil, foi um dos mais singelos da história do concurso e tornou-se inesquecível por contribuir para divulgar pelo Brasil uma das mais belas lendas do Amazonas.  Abaixo, a lenda da Tamba-Tajá, segundo o  curumim-anorkinda.blogspot.com



          Há milhares de anos, na tribo Macuxi, havia um guerreiro forte e corajoso que se apaixonou por uma linda jovem de sua aldeia. Ela lhe correspondeu tão nobre sentimento e passadas algumas luas uniram-se em matrimônio.
        Casal tão apaixonado nunca mais existiu. Passavam sussurrando juras de amor baixinho, um para o outro. Mas eis que um dia, um estranho mal se acometeu da indiazinha, tornando-a paralítica. O índio Macuxi, para não separar-se de sua amada, teceu uma tipóia e a carregava em suas costas. Apesar de tantos cuidados e carinhos, ela não resistiu à enfermidade e morreu.
        O guerreiro foi então à floresta e cavou um buraco à beira de um igarapé, enterrando-se junto com sua adorada esposa, pois sua vida não tinha mais sentido sem ela. Na Lua Cheia, da sepultura brotou uma delicada planta, uma espécie desconhecida para os mais entendidos índios Macuxis. Era a Tamba- Tajá, planta de folhas triangulares, de cor verde, trazendo em seu verso outra folha de tamanho reduzido, onde visualizava-se um bordado de um desenho que parecia-se com o desenho de um órgão sexual feminino.
        A união das duas folhas, representa o grande amor do casal que nem mesmo a morte conseguiu separá-los.

          A cantora Fafá de Belém gravou em 1976 um elepê com o título Tamba-Tajá. Uma das faixas trazia a composição abaixo, autoria de Waldemar Henrique, uma prece à famosa planta.

TAMBA-TAJÁ

Composição de Waldemar Henrique

Tamba-tajá me faz feliz
Que meu amor me queira bem
Que seu amor seja só meu de mais ninguém,
Que seja meu, todinho meu, de mais ninguém...

Tamba tajá me faz feliz...
Assim o índio carregou sua macuxi
Para o roçado, para a guerra, para a morte,
Assim carregue o nosso amor a boa sorte...

Tamba-tajá
Tamba-tajá

Tamba-tajá me faz feliz
Que meu amor me queira bem
Que seu amor seja só meu de mais ninguém,
Que seja meu, todinho meu, de mais ninguém...

Tamba-tajá me faz feliz...
Que mais ninguém possa beijar o que beijei,
Que mais ninguém escute aquilo que escutei,
Nem possa olhar dentro dos olhos que olhei.

Tamba-tajá
Tamba-tajá


----------


Suely de Mello Veras, amazonense, esportiva e intelectual. (Revista Fatos & Fotos)

          Para finalizar, deixo para os leitores um belo poema do poeta Carlos Farias Ouro de Carvalho (1930-1997), o Farias de Carvalho, a quem aprendi a admirar graças a uma das mais lindas e inteligentes jovens da história do Miss Brasil: Suely de Mello Veras, Miss Amazonas 1969.

A PRIMEIRA NAMORADA

Farias de Carvalho

Como pássaros brancos que voltassem
de uma estranha região de coisas mortas,
as tuas mãos, Teresa, em meus cabelos
vieram ninhar saudades esquecidas.

Deixa eu tê-las nas minhas. Vamos juntos
passear velhos domingos de outros tempos,
fazer a turma toda roer de inveja
quando eu passar contigo pela praça.

Repetiremos tudo novamente:
– eu, orgulhoso, comprarei sorvetes
com os dez mil-réis contados da semana;

ficaremos depois no velho banco
sem dizer nada, nossas sombras juntas
como duas saudades que se achassem!


*****

Fafá de Belém canta ''Tamba-Tajá''

Nenhum comentário: