a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 624, referente ao período de 18 a 24 de junho de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefones: (81) 99612.0904 (Tim) e (81) 99277.3630 (Claro) ***** WhatsApp: +55 81 99612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

sábado, 27 de março de 2010

SESSÃO NOSTALGIA - Virgínia Barbosa de Souza, Miss Minas Gerais 1967

Daslan Melo Lima

PRÓLOGO 


Duas louras e duas morenas formaram um harmonioso Top 4 no Miss Brasil 1966. Da esquerda para a direita:
Vírgínia Barbosa de Souza, Miss Minas Gerais, quarto lugar;
Francy Carneiro Nogueira, Miss Ceará, terceiro lugar;
Ana Cristina Ridzi, Miss Guanabara, primeiro lugar;
Marluce Manvailler Rocha, Miss Mato Grosso, segundo lugar.
(Foto: Revista Manchete, 09/07/1966)

      Na época, as três primeiras classificadas recebiam as denominações de Miss Brasil nº 1 (primeira colocada), Miss Brasil nº 2 (segunda colocada) e Miss Brasil nº 3 (terceira colocada). Ana Cristina Ridzi representou o Brasil no Miss Universo. Apesar de ter sido uma forte candidata não conseguiu classificação entre as semifinalistas. Marluce Manvailler Rocha representou o Brasil no Miss Mundo e conquistou um honroso quarto lugar.
      Caberia à Francy Carneiro Nogueira representar o Brasil no Miss Beleza Internacional, mas houve um problema. Em 1966, não foi realizado o Miss Beleza Internacional, o que só veio a acontecer em abril de 1967, quando a Miss Ceará já tinha renunciado ao título para casar. Foi aí que a coordenação do Miss Brasil convidou nada mais nada menos do que a quarta colocada, Virgínia Barbosa de Souza, Miss Minas Gerais, para disputar o famoso concurso de Long Beach, onde foi semifinalista do concurso Miss Beleza Internacional, no qual saiu vencedora a argentina Mirta Teresita Massa.

----------

VIRGÍINIA BARBOSA DE SOUZA, NOSSA MISS EM LONG BEACH


Desconfiada, falando pouco, morena de olhos castanhos, muito simples de vestido azul, Virgínia Barbosa, Miss Minas Gerais 1966 e quarta colocada no concurso Miss Brasil, seguiu para Long Beach, onde disputará o título de Miss Beleza Internacional. Ela se tornou Miss Brasil número 3 a partir do dia da renúncia de Miss Ceará, Franci Nogueira, que preferiu o casamento a uma viagem pelos Estados Unidos.


Sempre ao lado do pai, mineiro de Montes Claros que não deixa a filha sair sozinha (nem para ser fotografada), Virgínia – com 1 metro e 72, 20 anos de idade – é fã dos Beatles e acha que não é bem uma moça moderna, embora não pertença à Tradicional Família Mineira. Paraibana de nascimento, traz o sotaque inconfundível de Montes Claros (um pouco de mineiro, muito de baiano). Como a quarta colocação não lhe garantia a viagem, ela acha que nenhuma Miss até hoje viveu um sonho tão dourado como o seu.


De uma cidade onde os vaqueiros são reis, Montes Claros, Norte de Minas, Virgínia Barbosa saiu para uma viagem de sonho: descobriu o Rio ao lado do pai, Humberto Barbosa, e treinou ao sol um estilo diferente de beleza para assombrar os jurados de Long Beach. Virgínia Barbosa é a nova Miss Brasil número 3, com muita justiça.
----------
(“Virgínia, Nossa Miss em Long Beach” – Fotos de Esko Murto – Revista Manchete, 29/04/1967)
                                ----------


VIRGÍNIA BARBOSA DE SOUZA: 
“NÃO TENHO MEDO DE PASSAR FOME”


A revista Intervalo, um dos maiores sucessos editoriais dos anos sessenta, especializada em notícias de celebridades da televisão, publicou a foto acima de Virgínia com a seguinte legenda:

FOME NÃO PASSA - Confissão de Virgínia Barbosa, Miss Minas Gerais, durante um programa no Canal 4: “Não tenho medo de passar fome nos Estados Unidos. Sei pedir sanduíches e água, com um gesto. Virgínia representará o Brasil no próximo certame de beleza de Long Beach.
----------
(Revista Intervalo, secção Jornal da TV-Belo Horizonte, 12/03/1967)
                                  ----------

EPÍLOGO

      Há dois anos, em Belo Horizonte, onde reside, Virgina apareceu linda e elegante, na homenagem à empresa Cowan, da qual seu esposo Saulo Wanderley, pai dos seus seis filhos, é presidente.


Da esquerda para direita: a nora Érika Manducci, o filho Saulinho, Virgínia e o esposo Saulo Wanderley. (Foto: www.connect.com.br)

      Virgínia Barbosa de Souza, Miss Minas Gerais, Miss Brasil nº 3, semifinalista do Miss Beleza Internacional 1966, deve recordar com saudades daquele tempo mágico. A quarta colocação no Miss Brasil 1966 não lhe garantia nenhuma viagem e por isso ainda deve achar que nenhuma Miss até hoje viveu um sonho tão dourado como o seu.

*****

2 comentários:

Anônimo disse...

Saber esperar!Que interessante!Gostei da resposta dela quanto a não passar fome.KKkkkkkkkk!Uma pessoa assim,se dá bem em tudo.Está linda,mais madura!Abraços, Japão

João Cordeiro disse...

Esta Miss é uma das mais simples, humilde sobretudo,
equilibrada que já houve no Brasil. Por isso, desejolhe felicidades. Quem Profere estas palavras é um conterrâneo de Salinas- Minas Gerais - João Cordeiro