a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 616, referente ao período de 23 a 29 de abril de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefones: (81) 99612.0904 (Tim) e (81) 99277.3630 (Claro) ***** WhatsApp: +55 81 99612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

sábado, 15 de outubro de 2016

DE TIMBAÚBA PARA O MUNDO - Chiquinho do Pagode, “às vezes a felicidade demora a chegar"



>>> Asmático na infância, o timbaubense fala da sua ascensão na música
 

            O menino timbaubense Esdras Francisco de Assis, nascido em 29/03/1980, filho de José Queiroz e Eneide de Assis, sofria de asma na infância, mesmo assim, com a obstinação que o caracterizava, ainda estudou dois anos de música na Banda Euterpina. Sentia-se mal ao exercitar seus dotes em instrumentos de sopro, mas tudo era compensado quando ao chegar em casa  recebia o afeto sem limites da família. “Minha mãe biológica, minha avó, minha bisavó e uma vizinha me cobriam de carinho. Posso dizer que tive quatro mães”, confessa emocionado.  Passou pelos educandários Colégio Timbaubense, Escola Jáder de Andrade e Escola Prof. José Mendes da Silva, concluiu o Ensino Médio e entrou no mercado de trabalho formal.   
       Seu mergulho no mundo da música ocorreu na época em que o famoso e extinto conjunto timbaubense Arretados do Pagode estava no auge. “Trabalhei na produção durante três anos. Aprendi muito com Marcone Gomes Peixoto, o Léo do Pagode, meu maior referencial na música, com quem aprendi muito. Dediquei-me ao pandeiro e a outros instrumentos de percussão. Toquei nas bandas Samba de Garagem, Bicho do Mato e Mania Brasileira, até fundar há seis anos o conjunto Roda de Samba. Pretendo aprender a tocar violão, a fim de diversificar meu repertório. Quero cantar músicas de ícones como Djavan, Jorge Vercílio e Maria Gadu nos intervalos de pagode”, confessa entusiasmado, usando um boné e rindo sempre, marcas registradas do seu visual.
       A agenda do Roda de Samba é movimentada, mas como os eventos são realizados sempre nos finas de semana, Chiquinho consegue conciliar a música com a função de auxiliar administrativo na empresa Extra Veículos. Além do Chiquinho, o Roda de Samba é constituído por Leozinho do Cavaco, Max do Surdo, Arnaldo do Reco, Quininho Rebolo e Biu Canário. Casado há cinco anos com Elaine Iraci da Silva Assis, estudante de Psicologia, o casal ainda não tem filhos. O incentivo da esposa é uma das razões do seu sucesso, já tendo gravado um dvd e três cds.

Pinque-pongue com Chiquinho do Pagode  
Música que o público mais pede para ser cantada: 
Atualmente, “Tentei ser incrível”, de Ferrugem. 
Maior sonho: 
Ser um cantor reconhecido nacionalmente. 
Um show que marcou época:  
“Samba Aliança” e “Feijoada do Pirauá”, ambos no ano passado. 
Cantores preferidos: 
Ferrugem, Nilsinho e Ana Clara. 
Uma mensagem para os leitores e leitoras de TIMBAÚBA EM FOCO: 
Um trecho da música “Tá Escrito”, de Xande De Pilares, Gilson Bernini e Carlinhos Madureira, gravada pelo Grupo Revelação.  “Quem cultiva a semente do amor/ Segue em frente não se apavora / Se na vida encontrar dissabor / Vai saber esperar sua hora. /// Às vezes a felicidade demora a chegar / Aí é que a gente não pode deixar de sonhar / Guerreiro não foge da luta e não pode correr / Ninguém vai poder atrasar quem nasceu pra vencer. “
 

*****

EM NOME DE GLORINHA

A timbaubense Maria da Glória Ferreira de Araújo, dona Glorinha, viúva de Joel Monteiro de Araújo, mãe de Antonio (in memorian), Joel, Tranquelino, Teotônio, Ana Glória e Carlos Eduardo, exterioriza no semblante as marcas de 91 anos de caminhada no Planeta Terra, completados na quinta-feira, 13.

Acima, a matriarca, uma criança nonagenária. Abaixo, Glorinha ao lado dos filhos Teotônio e Ana Glória.


*****

Um comentário:

Jeová Barboza de Lira Cavalcanti disse...

Acho que conheço o Esdras. Se não me engano estudou no Colégio Timbaubense e foi colega de meu filho Alysson Kléber. Ele sempre foi forte desde pequeno. Pois é, meu jovem, o amor dos que nos cercam, principalmente da família e a vontade de vencer, são forças que nos propiciam alcançar nossos objetivos na vida. Vá em frente, lute, aprenda a tocar esse violão e transforme o que de mais pode existir em música: a poesia nascida do coração!
Um grande abraço.
Jeová Barboza