a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 629, referente ao período de 23 a 29 de julho de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefones: (81) 9.9612-0904 (Tim). ***** WhatsApp: +55 81 9.9612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

sábado, 27 de julho de 2013

DE TIMBAÚBA PARA O MUNDO - QUANDO OS PAIS SE TORNAM FILHOS DOS FILHOS - QUARENTA ANOS SEM O CEGUINHO DA VILA

QUANDO OS PAIS SE TORNAM FILHOS DOS FILHOS

          Há nove anos, quando a personagem da atriz Glória Menezes enfrentava na novela global “Senhora do Destino” o trauma de perder a consciência lentamente, D. Luiza Apolinário, que acompanhava a trama televisiva, passou a desconfiar que era do mal de Alzhmeir que o seu esposo Antonio Apolinário sofria. Até então, os médicos que o atendiam diagnosticavam como depressão o problema de saúde do Sr. Antonio Cipó, apelido que ganhou desde os tempos em que negociava com confecções na feira livre de Timbaúba. A doença de Alzhmeir é degenerativa e mais de 18 milhões de pessoas padecem desse mal.



      Pai de Alberto (comerciante no Recife), Ana Elizabeth (Betinha, funcionária pública municipal), Antonio Marcos (recepcionista) e Alex (comerciário), Sr. Antonio, beneficiário do INSS, sempre levou uma vida muito ativa. Extrovertido, adorava contar piadas e falar do tempo em que serviu no exército, até que no dia 10/01/2001, sentiu-se tonto e daí em diante passou a se esquecer das coisas. A rotina da família mudou totalmente com o agravamento da situação. Faz cinco anos que Sr. Antônio não fala e não se locomove.

.
           Parece que foi ontem que Sr. Antonio Cipó agia como pai. O destino inverteu a situação. O pai de ontem tornou-se filho dos filhos. Betinha afirma: “Dói muito ver o meu pai nesta situação, mas os dramas da vida fazem parte dos desígnios de Deus.”  
          Antônio Marcos estava radicado em São Paulo há 10 anos, mas largou tudo para voltar à Timbaúba, a fim de colaborar com os irmãos nos cuidados com o pai. 
          “É difícil toda esta situação, mas o problema fez com que a família ficasse ainda mais unida”, diz Alex Apolinário, e acrescenta: “Nosso pai cuidou do pai dele, vovô Manoel Apolinário, até o final da vida. Quando estava cansado, repetia o salmo 23:1 : O Senhor é o meu pastor e nada me faltará. Betinha conclui: "Quando o desgaste físico e emocional teima em se instalar no nosso dia a dia, repetimos diante do nosso pai o que ele tantas vezes dizia para o seu: O Senhor é o meu pastor e nada me faltará.
_____
Na foto, Antônio Marcos, Betinha, Alex e Antônio Cipó. ***** Imagem: DML/Passarela Cultural

                                  *****
QUARENTA ANOS SEM O CEGUINHO DA VILA
 
          Há 40 anos, no dia 08 de julho de 1973, morria um artista que marcou época em Timbaúba, Antônio Galdino dos Santos, o célebre Toinho Cego. Ele tinha apenas 24 anos de idade quando faleceu vítima de um acidente de carro ao retornar de uma apresentação acompanhado de duas pessoas. O Ceguinho da Vila, como era conhecido, pelo fato de morar na antiga Vila Operária, tocava violão, cantava e encantava. Perdeu a visão aos dois anos de idade e por isso deve ter guardado apenas as coisas boas, leves e puras do planeta, sentimentos mágicos que passava ao cantar os amores e os desamores das canções que interpretava.
 




         Três meses antes da tragédia, o seu amigo Josafá de Freitas, timbaubense radicado em São Paulo, tinha concluído, ao lado de outro amigo, o Teonas, um projeto para levá-lo á capital paulista. “Não eram os desígnios de Deus”, diz Josafá. Adiles Dinoá, que ao lado do esposo Jeová Barboza era grande amiga de Toinho Cego, afirma : “Sua voz que tanto embalou meus sonhos de juventude continua presente na minha vida. Nossa amizade não acabou e está muito melhor agora porque tem gosto de lágrimas, mas tem o sabor do Infinito.”
           Na foto acima, da esquerda para direita, em pé: Bito (irmão), Orlando (pai), Roseli (sobrinha), Menininha (irmã) e Edith (amiga). Na mesma ordem, sentados, Mocinha ( irmã ), Toinho Cego e Lula Alves (vizinho e amigo). Foto: Acervo de Sebastiana de Souza Lima.
          José Gilvan Felinto Silva dedicou a Toinho Cego um poema onde há uma estrofe que diz: "A nossa juventude foi feliz / Com o som do coração dos pássaros / Que saía da voz e do violão / Do ceguinho da vila que amamos."
           Nadilza Lima de Morais, que nasceu, cresceu e ainda vive na Vila Operária, confessa o seguinte: "No terraço das casas da antiga Vila Operária, todas tinham um murinho em dois níveis, onde, com certeza, brotava da alma de Toinho aquele belo vozeirão em dias nublados ou noites estreladas. As estações do tempo não eram enxergadas por ele, já que foi tolhido deste sentido, mas percebidas aos olhos da alma."
          Quarenta anos depois, a voz e o violão de Toinho Cego, o eterno Ceguinho da Vila, são ouvidas pelo silêncio nas madrugadas timbaubenses.

 *****
MEMÓRIA TIMBAUBENSE
Timbaúba, setembro de 1969 - I Jogos Estudantis Intermunicipais - Equipe  de vôlei do Colégio Comercial Timbaubense, formado por  alunos  concluintes do curso ginasial de 1969. ***** Em pé, da esquerda para direita: Luiz Henrique, Hélio Damião, Josenildo, Jorge Rodrigues e Belarmino. Agachados: José Arnaldo, Joel Monteiro, Ari Braz Cunha e o técnico Marcão. ***** Foto: Acervo de Luis Henrique / Agradecimentos a José Hélio Guerra.  
*****
ROTEIRO POÉTICO DE TIMBAÚBA

 
O CÉU, TALVEZ NÃO. PARIS, SIM - As nuvens cinzas anunciam chuva. Se eu subir uma das ladeiras do Alto Santa Terezinha terei a  impressão que o céu é bem ali. O céu,  talvez não. Paris, sim. "A majestosa antena não é uma antena. É a Torre Eiffel", grita em silêncio o  menino sonhador nos ouvidos do homem que sou. E como entendo  de sonhos e fantasias, acho graça do menino e eternizo o momento nesta  fotografia. - Daslan Melo Lima
 
*****

Nenhum comentário: