a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 649, referente ao período de 11 a 17 de dezembro de 2017. ***** Grato por sua atenção.

sábado, 9 de abril de 2011

SESSÃO NOSTALGIA - “VÁ LÁ EM CIMA E TRAGA A MANCHETE DE IEDA MARIA VARGAS”, UMA SENHA PARA O PARAÍSO

Daslan Melo Lima
 
 
                 - “Vá lá em cima e traga a Manchete de Ieda Maria Vargas.” Era quase meio-dia de uma cinzenta manhã dominical de agosto de 1963, em São José da Laje, a cidadezinha alagoana onde nasci. 
      Eu era ainda um menino, mas já trabalhava aos domingos, dia de feira livre, na Loja São José, a grande casa comercial de José Francisco da Silva, conhecido como Galego, esposo de Maria da Soledade Lima e Silva, a Tia Dade, irmã da minha mãe. Eu atendia no balcão, onde vendia coisas diversas, inclusive vidros de perfumes e de brilhantina. Abria os vidros, passava um pouco da essência em meus braços ou nos dos matutos e matutas, aspirava o cheiro e dizia com um sorriso que o produto era ótimo. Também subia e descia uma escada várias vezes, a fim de apanhar nas prateleiras mais altas as caixas de chapéus que as vendedoras ofereciam aos clientes. Por conta da escada e dos aromas, no final da tarde eu estava extenuado, com dores nas pernas e dor de cabeça. Como pagamento, recebia três por cento de comissão sobre as vendas efetuadas. O que ganhava, repassava para minha mãe comprar alimentos. O nome da moeda brasileira e o seu valor aquisitivo mudaram tanto ao longo do tempo que não tenho idéia alguma de quanto seria hoje o que eu recebia, mas era pouco. O preço de um exemplar das revistas Manchete e O Cruzeiro era muito caro, Cr$ 100,00 (cem cruzeiros), praticamente o total das minhas baixas comissões. Dinheiro curto, mas bem-vindo para ajudar nas despesas de casa, até que a esperança de ganhar um pouco mais voltasse no domingo seguinte.


                - “Vá lá em cima e traga a Manchete de Ieda Maria Vargas”, pediu-me Tia Dade com sua voz bonita. A ordem soou como uma senha para o paraíso. Obedeci com satisfação, pois ficaria livre por alguns momentos das tarefas cansativas. “Vá lá em cima” significava sair da loja e caminhar uma pequena distância até a casa da Tia Dade, pertinho da Igreja Matriz. 
      Minha paixão pelas Misses tinha começado um ano antes, quando vi a baiana Maria Olívia Rebouças Cavalcanti, Miss Brasil 1962, na capa de O Cruzeiro. A convivência com a Tia Dade despertou-me para o mundo das Misses. Ela era missóloga, um termo desconhecido naquele tempo. Sabia tudo sobre os concursos e na época do Miss Brasil ia dormir tarde, escutando pelo rádio as reportagens precárias, cheias de chiados, que as emissoras transmitiam direto, ao vivo, do Maracanãzinho, Rio de Janeiro. A televisão era algo ainda distante, um luxo, um fantástico sonho de consumo  que não tinha chegado em São José da Laje.  
       “Vá lá em cima e traga a Manchete de Ieda Maria Vargas”. Fui e peguei a revista como se pega um tesouro incalculável.  Corri para o oitão da Igreja e mergulhei naquelas páginas transbordantes de glamour, com fotos e mais fotos sobre a eleição da gaúcha Ieda Maria Vargas, Miss Brasil, como Miss Universo 1963. Na volta para a loja, algumas pessoas diziam: - “Este menino está com a Manchete de Ieda!” Quanto orgulho! Senti-me um menino-rei! Quando cheguei à loja, Tia Dade me aguardava ansiosa. Pessoas estavam esperando a Manchete como se estivessem na fila do Cine São José para verem um filme estrelado por Rock Hudson ou Elizabeth Taylor

O Top 3 do Miss Universo 1963. Aino Korwa, Miss Dinamarca, segundo lugar; Ieda Maria Vargas, Miss Brasil, primeiro; e Marlene MacKowen, Miss Irlanda, terceiro lugar.
             Anos e anos depois, já morando no Recife, encontrei num "sebo" um exemplar daquela Manchete de 1963, capa riscada e gasta pelo tempo. Feliz da vida, comprei a revista como se estivesse comprando uma senha para o paraíso.  Anos e anos depois, encontrei-me com Ieda Maria Vargas no Clube Português do Recife. Felicíssimo, pedi a ela que autografasse um velho álbum de recortes como se estivesse pedindo uma senha para o paraíso.  Em ambas as situações, o menino que um dia eu fui viveu uma realidade com sabor de sonho. 
 
Uma das relíquias dos meus álbuns de recortes sobre concursos de Misses. O autógrafo de Ieda Maria Vargas na página amarelada pelo tempo, ao lado de uma foto extraída de um exemplar da revista Manchete.
                Aquele tempo se foi, para sempre se foi, mas todas as vezes que pego na minha Manchete com Ieda Maria Vargas na capa, sorrindo com a coroa de Miss Universo 1963, agradeço a DEUS por tudo que vivi. Fecho os olhos e reencontro o menino sonhador que fui um dia, feliz por ter recebido da Tia Dade uma senha para o paraíso, “Vá lá em cima e traga a Manchete de Ieda Maria Vargas”.

*****

3 comentários:

Miss Brasil Latina disse...

Daslan, gostaria de ter sua alma de poeta para descrever o que sentí ao ler " Sessão Nostalgia - "Vá lá em cima e traga a Manchete de Ieda Maria Vargas ", uma senha para o Paraíso " mas faço questão de registrar a minha emoção pois vc me fez chorar ... chorei sim pela beleza de Ieda, pela maravilha da conquista de nossa eterna Miss Universo e principalmente por este relato lindo de amor e saudade. Parabéns! Fernando Bandeira Diniz

Anônimo disse...

Esta crônica é uma pérola de sensibilidade ! Deveria ser lida por todas as pessoas adultas que esqueceram que foram crianças.
Uma aula de humanidade... um mergulho que nos leva a entender melhor a alma do missólogo e do Poeta.

C.Rocha
Floripa

Anônimo disse...

MMMMMMMMMMMMMM,Daslan!Vi tua força que guardava,como semente,a tua poesia.que Deus te abençoe sempre!Ieda está linda!venceu na apresentação do MU.Você viu o vídeo?Abraços,também,ao MBL (pelo teu trabalho,também) e ao C.Rocha;Japão