a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 616, referente ao período de 23 a 29 de abril de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefones: (81) 99612.0904 (Tim) e (81) 99277.3630 (Claro) ***** WhatsApp: +55 81 99612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

sábado, 6 de agosto de 2016

SESSÃO NOSTALGIA - Sou louco por ti, Aizita

         
Daslan Melo Lima



     
----------

Faz dois meses que encontrei no Youtube uma pérola rara  postada pelo senhor José Claudio Menezes de Souza. Trata-se de um áudio,  um compacto duplo da RCA Victor gravado por Aizita Nascimento



No lado 1, Soy loco por ti, América, de Gilberto Gil, Capinam e Torquato Neto (1944-1972); no lado 2, Bamotsweri, do norte-americano  Harry Belafonte.

Aizita - Capa da revista O Cruzeiro   

          O que dizer da voz de Aizita Nascimento? Linda, suave, aveludada, um prazer para os ouvidos e para a alma.  Nascida em 14 de julho de 1939, a carioca Aizita Nascimento da Costa, Miss Renascença Clube,  semifinalista do concurso Miss Guanabara 1963, saiu das passarelas para uma carreira de sucesso como atriz de cinema, teatro e televisão. Aizita também gravou outro  disco pela RCA Victor, com as músicas Faz de Conta, de Orlandivo e Roberto Jorge, e  Ciuminho, de João Roberto Kelly.
      Tenho um carinho enorme por minha amiga Vera Lúcia Ferreira Maia, Miss Fluminense, primeira colocada no Miss Guanabara 1963, mas sou louco por Aizita Nascimento. Quando o resultado foi anunciado com o sexto lugar dado à Miss Renascença, vinte e cinco mil pessoas começaram a gritar: “Queremos a mulata! Queremos a mulata!”

Revista Fatos & Fotos,  09/01/1965

         Na crônica que Henrique Pongetti (1898 - 1979) publicou na revista Manchete, de 06/07/1963, o famoso jornalista e dramaturgo confessou: 
          ...Acresce que a beleza, para a maioria do povo, não obedece a cânones: é uma opinião, ou melhor dizendo, uma sensação. Se tiver quadris bem roliços, se estiver mais para a tanajura do que para a Miss Universo, ganhará aplausos frenéticos ao longo de toda a passarela. O público não quer Donas Estátuas: quer Donas Boas.(...)
    Havia uma mulata do Renascença Clube na passarela do Maracanãzinho. Uma cara bonita, com um sorriso desses que dão vontade de pegar a mulher no colo e sair com ela sorrindo entre filas de angustiados e de vencidos. Um sorriso para cartazes de campanhas contra a depressão, pró planos trienais, ou muito mais. Contagioso, sedativo, euforizante. Eu votei nela para uma das oito finalistas. Pelo seu sorriso, pela sua maneira de olhar deixando mel na menina dos olhos da gente, pela sua humanidade em não se sentir diferente das outras vinte e três por ter a pele mais escura. (...) 
         Que pensava o povo a respeito? Ora, o povo! O povo acabou, como sempre, que num caso desses, antes tanajura do que tábua de passar a ferro, e esquecendo seus clubes e suas candidatas passou a pedir em coro o primeiro lugar para ela: - Queremos a mulata ! Queremos a mulata! Queremos a mulata!

----------
Aizita - Revista Manchete

Para ouvir Aizita cantando Soy Loco por ti, AméricaBamotsweri
...........
Para ouvir Aizita  cantando Faz de Conta e Ciuminho
..........
          Por onde anda você, ícone dos mágicos anos 60? Soube que mora em São Paulo, gozando de sua aposentadoria como enfermeira, missão à qual se dedicou ao abandonar a carreira artística. Sou louco por ti, Aizita.
----------

        Para recordar a Sessão Nostalgia dedicada a Aizita Nascimento em 13/04/2008,

*****

Um comentário:

Anônimo disse...


Aizita Nascimento não foi a pioneira das mulatas famosas lançadas pelo Clube Renascença. Mas deu o pontapé inicial puxando para os holofotes outras que seguiram seus passos, a exemplo de Vera Lúcia Couto dos Santos, Esmeralda Barros, Elizabeth Santos, e a última de 1970 Sônia Silva.

Depois que o Renascença se retirou das passarelas nunca mais os concursos de misses do Rio de Janeiro tiveram o mesmo charme e brilho, nem a torcida mais organizada do dia da competição.

Muciolo Ferreira