a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 616, referente ao período de 23 a 29 de abril de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefones: (81) 99612.0904 (Tim) e (81) 99277.3630 (Claro) ***** WhatsApp: +55 81 99612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

sábado, 17 de outubro de 2015

SESSÃO NOSTALGIA – O primeiro concurso de beleza negra do Brasil

Daslan Melo Lima

      Era maio de 1957. Em cinco páginas, a revista O Cruzeiro (Ano XXIX, nº 31, Rio de Janeiro, 18/05/1957) com texto de Neil Ferreira e fotos de George Torok, dava destaque ao concurso de beleza Pérola Negra, realizado nos salões do Teatro Municipal de Campinas.  
----------

Pérola Negra
 
O vice-governador de São Paulo, General Porfírio da Paz, coloca a faixa simbólica em Marcília Gama, a “Pérola Negra de Campinas".

         
Pela primeira vez no Brasil, a sociedade negra de uma cidade realizou um baile de gala e escolheu a sua rainha no ambiente suntuoso de um Teatro Municipal, congraçando-se numa festa que alcançou o mais amplo sucesso. Foi em Campinas (no Estado de São Paulo) que o jornal Diário do Povo resolveu concretizar um dos velhos sonhos da numerosa família negra, organizando e levando a efeito o concurso que escolheria a “Pérola Negra de Campinas”. A vencedora seria a jovem de cor que reunisse maiores predicados em elegância, graça, beleza, cultura e simpatia, e seria apontada num baile cuja renda reverteria em benefício do Posto de Puericultura Beatriz Helena e Corporação Musical dos Homens de Cor. Bastou que a ideia fosse anunciada para receber o integral apoio da Associação Cultural dos Negros do Estado de São Paulo e, imediatamente, vinte jovens foram inscritas. Escolheu-se, então, um júri que, durante um coquetel no Lo Schiavo (um dos lugares mais finos da cidade), levando em conta a formação moral e o grau intelectual, deveria selecionar nove entre as vinte concorrentes. Apontadas as nove semifinalistas, procedeu-se à eleição pública que apontaria as cinco finalistas. Durante três meses enorme movimento marcou o concurso e o baile final era esperado com grande expectativa.


Uma semana antes do baile, esgotaram-se as lantejoulas e os enfeites, nas lojas de Campinas. **** Elas chegavam elegantes e “coquettes”. Eles abriam alas.  ***** Pérola Negra em vestido branco. Marcília faz jus ao título.

À medida que os resultados iam aparecendo, delineando as posições, verdadeiras torcidas das candidatas procuravam angariar votos para as suas preferidas. Quando ia se aproximando a data do baile, foram confeccionados convites que se esgotaram em tempo quase recorde, prevendo grande afluência de púbico para a grande noite. Foi aí que surgiu o problema. Onde realizar o bale? A sociedade negra de Campinas não possui salão de festas e, dada a grande procura de ingressos, somente um local bastante amplo serviria. O Tênis Clube não poderia ceder o seu local porque já havia marcado o baile da “Glamour Girl”. A única solução seria o velho e austero Teatro Municipal. Mas esse teatro já possuía uma tradição bastante antiga. Ali havia somente um baile por ano. Era a apresentação das debutantes da Sociedade Hípica, nada mais nada menos do que a fina flor da sociedade da terra.
     A sociedade apelou para o prefeito e este cedeu, excepcionalmente, o Teatro. A sociedade rejubilou-se com a concessão: faria o seu baile e fecharia a época social do vetusto casarão da terra de Carlos Gomes. O concurso tomou novo impulso e pessoas de São Paulo, Rio, Americana, São Carlos, Franca e representantes da sociedade de cor de todas as cidades vizinhas reservaram seus ingressos, prepararam os vestidos e “smokings” para a grande noite.     

     Em conversa com três comerciantes, o repórter ficou sabendo que, na semana que antecedeu  o baile, o estoque de lantejoulas e demais enfeites para vestidos esgotou-se completamente da praça. Mas enquanto estes preparativos eram feitos, surgiu um problema. O tablado montado para as festas do Municipal era de propriedade da Sociedade Hípica. A solução seria aluga-lo. A proposta dos promotores do concurso “Pérola Negra de Campinas” foi estudada pelos diretores da Sociedade Hípica e aprovada por um voto de diferença. O tablado seria cedido por Cr$ 80.000,00. Houve quem discordasse e alguns diretores renunciaram aos cargos. Mas encontrou-se uma forma conciliatória, a paz voltou a reinar na Hípica e o tablado foi alugado. Decoradores foram postos em ação, concederam-se férias aos cenários de Rigoletto e quejandos e uma orquestra foi contratada. Tudo pronto, chegou o dia D.

Ela chegou cedo. Olhou para tudo, fez um ar de aprovação, e iniciou-se a festa.
      Desde as nove horas da noite começou a afluir gente à porta do Teatro, aguardando o momento em que entrariam as candidatas. E aqueles lustres, que há cinquenta anos iluminam o que há de mais fino na sociedade campineira, não foram decepcionados.  Iluminaram também desta vez  “smokings” do mais puro corte inglês, modelos de Dior, Fath e Givenchy e “visons” legítimos. As candidatas chegaram, o júri presidido pelo vice-governador Porfírio da Paz e composto por dez elementos (com representantes da Associação Cultural dos Negros do Estado de São Paulo e da Difusão Cultural da Prefeitura) tomou assento à mesa enquanto a a orquestra gemia um “blue”. O salão repleto, com os assistentes aplaudindo as concorrentes.    
        Após longos debates, o júri chegou a uma definição. Apontou a Srta. Marcília Gama a “Peróla Negra de Campinas”. A faixa simbólica e a clássica valsa ficaram a cargo do vice-governador. O sucesso da festa animou os seus organizadores, que irão agora construir a sede da sociedade negra e inaugurá-la com o baile das Debutantes, semelhantes ao que se realiza anualmente no Hotel dos Presidentes dos Estados Unidos, e único no gênero na América do Sul.
----------


     Uma pena que a revista não mostre imagens de todas as concorrentes, por isso vamos concluir que a legenda que O Cruzeiro deu a esta foto tinha razão: Pérola Negra em vestido branco. Marcília faz jus ao título.   

     Depois daquele maio de 1957, Vera Lúcia Couto Santos, Miss Guanabara, 
vice-Miss Brasil, conquistou o terceiro lugar no  Miss Beleza Internacional 1964; Deise Nunes, Miss Rio Grande do Sul, Miss Brasil, foi semifinalista no Miss Universo 1986; e Janelle Penny Commissiong, Miss Trinidad-Tobago,  foi eleita Miss Universo 1977. Eu poderia acrescentar  aqui que essas misses tinham algo em comum com Marcília Gama, "Pérola Negra de Campinas 1957",  eram de cor, ou mulatas, ou negras, ou afrodescendentes. Ora, todos nós somos integrantes da raça humana, com sua diversidade fantástica.
Finalizando, cito o dramaturgo inglês William Shakespeare (1564-1616), neste sábado, 17 de outubro de 2015,  onde celebro idade nova, embora todo dia, com a graça de Deus,  seja dia de celebrar a vida:  “Se outro nome tivesse a rosa, deixaria ela de ser perfumada?"

*****

Um comentário:

Projeto Cultural Raízes do Brasil - Campinas /SP disse...

Muito honrosa por esta postagem, que marca lugares (outros) onde a mulher negra sempre pôde ocupar. História que pertence à minha família, sendo reverenciada neste outubro de 2015. Continua a ser um horizonte para a nossa luta cotidiana contra o racismo e contra todas as imbecilidades humanas que destituem a mulher negra dos seus dignos e desejoso lugares de estar no mundo e como queiramos, nós.