a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 629, referente ao período de 23 a 29 de julho de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefones: (81) 9.9612-0904 (Tim). ***** WhatsApp: +55 81 9.9612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

sábado, 16 de abril de 2016

DE TIMBAÚBA PARA O MUNDO - Maria Emília Dutra Ferreira Lima, uma primeira dama que marcou época

       

Seu nome é uma verdadeira legenda quando o assunto gira em torno das primeiras damas timbaubenses que marcaram época. Esposa de Jacques Ferreira Lima (1927-1991), eleito três vezes prefeito e duas deputado estadual, Maria Emília Dutra Ferreira Lima evoca elegância, classe e educação aliadas a uma generosa dose de simplicidade.


      Maria Emília nasceu em Itambé, PE, no dia 08/09/1928, filha de Severino Cirilo de Vasconcelos Dutra e Maria Guedes Dutra, proprietários de engenho naquela região. Foi uma das seis filhas do casal que também teve cinco filhos. Uma prole numerosa, como era normal há décadas. Toda a família veio morar em Timbaúba, na rua Dr. Alcebíades, quando Maria Emília era apenas uma criança.
        Educada no tradicional Colégio São José, no Recife, ela começou a namorar com Jacques Ferreira Lima aos 11 anos de idade, casando em 1953, uma união que gerou Edite Emília, Jaci, Jacques Ferreira Lima Filho, Maria Emília e João Carlos. Professora concursada do Estado, lecionou na Escola Estadual Elizabeth Lyra.  

      Sua filha Maria Emília (Milinha) confessou à TIMBAÚBA EM FOCO o que se segue: “Minha mãe fazia um bolo de rolo como ninguém. Adorava comidas de milho, apreciava um bom uísque e um bom vinho, gostava de serestas e de carnaval. Frequentava a Liga Lítero Atlética, mas não perdia o popular baile da farinha, no Mercado Público. Quando da passagem dos blocos carnavalescos, sua casa se tornava pequena para acomodar todos os integrantes que entravam para tomar um lanche ou uma dose de bebida. Católica praticante, era devota de N.S. das Dores e de São José. Não perdia uma missa dominical e comungava sempre. Era vaidosa, usava perfumes franceses e ao acordar cuidava logo do visual, caprichando no penteado, no batom e na roupa.  Adorava a vida no campo e os animais, aplicando vacinas nos bichos das propriedades da família. Sentia uma satisfação enorme em colaborar com a Feira dos Municípios, evento beneficente tradicional que acontecia anualmente na capital.”
        Em 1974, quando a prefeitura patrocinou as despesas para Laurineide Coutinho Ferreira disputar o título de Miss Pernambuco, Dona Emília fez questão de orientá-la e ser sua acompanhante.  Resultado: Entre 29 concorrentes, Laurineide conquistou um honroso lugar entre as 10 finalistas.


Durante um evento no Recife. Maria Emília é a segunda pessoa, da esquerda para a direita. A terceira é Ieda Lucena, ex-primeira dama do Recife. Quem seriam as outras? Deixe comentário ou envie e-mail para daslan@terra.com.br

       Ao falecer no dia 06/09/1987, vítima de câncer, dois dias antes de completar 59 anos de idade, Maria Emília Dutra Ferreira Lima deixou um legado de valores que perdura há quase três décadas. Muita gente não hesita em afirmar que o seu cortejo fúnebre foi o maior já visto na cidade, afinal ela exercia a função de Secretária de Educação e sabia os nomes decorados de todas as pessoas, notadamente dos altos do Cruzeiro, Santa Terezinha e Independência, onde era muito querida. Detalhe: antes de partir, recomendou a Milinha que gostaria de ser vista maquiada no velório. E assim foi feito.  Seu nome, hoje título de um Centro Educacional, é um nome que a história timbaubense guardou.



*****  
Imagens: Acervo da família



Um comentário:

Anônimo disse...

Um ser humano maravilhoso!
Fina, chique, apaziguadora....
Jamais a esqueci!

J.S. Lima