a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 616, referente ao período de 23 a 29 de abril de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefones: (81) 99612.0904 (Tim) e (81) 99277.3630 (Claro) ***** WhatsApp: +55 81 99612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

sábado, 1 de junho de 2013

AS QUATRO ESTAÇÕES LAJENSES

Daslan Melo Lima

         Na última quinta-feira, 30, quando Maio estava se preparando para se despedir da passarela do tempo de 2013, recebi este e-mail de José Maria de Mattos:

Encontrei nos meus arquivos essa relíquia, se assim podemos chamar que é, uma poesia de autoria de D. Maria do Rosário. Não sei que ano ela escreveu , mas é uma verdadeira declaração de amor à Lage (com G). No texto, ela descreve a sua admiração e carinho à terrinha nas quatro estações. 
Pensando nisso, achei que poderia ser feita uma crônica (e crônica é com você), comparando o talento: Maria do Rosário  x Antonio Vivaldi, já que os dois se inspiraram nas quatro estações, um na escrita  e o outro na música. Espero que eu esteja certo no meu pensamento e tenha a sua aprovação. 
Um forte abraço! 
      
        A inesquecível Maria do Rosário Cavalcanti Silva é um dos ícones culturais alagoanos de São José da Laje, ao passo que o compositor italiano  Antonio Lucio Vivaldi (1678-1741) é um dos ícones da música clássica internacional. Maria do Rosário e Vivaldi, cada um com o talento que DEUS deu a ambos, contribuíram para tornar o planeta Terra mais belo.  
        Enquanto digito este texto,estou ouvindo as Quatro Estações, a obra imortal de Vivaldi, e selecionando imagens da minha terra natal para intercalar na bela poesia de Maria do Rosário Cavalcanti Silva. A tarefa que José Maria de Mattos pediu-me foi muito complicada. Faltaram as palavras devidas para construir uma crônica, mas o vento, o silêncio e os anjos invisíveis deram-me uma ideia: deixar que o espaço desta secção seja  ocupado por uma partícula da essência dela, eterna Maria do Rosário Cavalcanti Silva.
----- 

MINHA TERRA, por Maria do Rosário Cavalcanti Silva 


Minha cidade, sobre pedras construída, / É protegida por colunas verdejantes. / E um velho rio de águas mansas, murmurantes / Eternamente canta um hino a sua ermida. / Eu a comparo a uma joia preciosa / Ou flor mimosa do Jardim do Criador!
-----
É minha terra! E seu povo, minha gente! / Vou vivendo alegremente, no seu seio acolhedor! 

----------


Se é VERÃO, cedinho o sol aparecendo, / Vai se estendendo sobre as casas e os quintais / E os filhos seus para o trabalho vão correndo / Tão pressurosos, sempre alegres joviais. / E as criancinhas saltitando nas calçadas / Tão descuidadas, são anjinhos do Senhor! 
-----
É minha terra! E seu povo, minha gente! / Vou vivendo alegremente, no seu seio acolhedor! 
-----
E quando à noite a lua cheia, deslumbrante, / Vai prateando todo o seu canavial / Que então parece um oceano farfalhante / Ou terno amante que recebe, sensual, / Belas pracinhas trocam beijos, enlaçados, / Os namorados, ao luar sob o palor.
-----
É minha terra! E seu povo, minha gente! / Vou vivendo alegremente, no seu seio acolhedor! 

----------


Se é OUTONO, e já o sol entristecido / Pois querendo ficar tem que partir / Porque por plúmbeas nimbos envolvida / Vai ter forçosamente que sumir... / Se das ramadas folhas mortas vão caindo / Das lufadas do vento ao dissabor.
-----
 É minha terra! E seu povo, minha gente! / Vou vivendo alegremente, no seu seio acolhedor! 



        ----------



Em pleno INVERNO, quando o sol some distante /  E a chuva cai constantemente dos beirais / Num canto triste, tão pungente, soluçante / Que mais parece um coração em tristes ais, /Até assim a minha cidade é tão mimosa! / Toda dengosa, do inverno no torpor! 
-----
É minha terra! E seu povo, minha gente! / Vou vivendo alegremente, no seu seio acolhedor! 

----------


Na PRIMAVERA, toda verde e perfumada / Pela fragrância, as essências mais sutis / Enquanto o vento vai brincando nas ramadas, / Engalanadas pelas flores mais gentis. / E pelo espaço, em bando alegre, o passaredo / Vai pipilando um doce canto em seu louvor! 
-----
É minha terra! E seu povo, minha gente! / Vou vivendo alegremente, no seu seio acolhedor! 



*****

Nenhum comentário: