a *****

SEJA BEM-VINDO ! SEJA BEM-VINDA! VOCÊ ESTÁ EM PASSARELA CULTURAL, a sua revista on-line semanal, fundada em 02/07/2004. ***** Esta é a edição nº 616, referente ao período de 23 a 29 de abril de 2017. ***** Editor: Daslan Melo Lima ***** Timbaúba, Pernambuco, Brasil ***** Telefones: (81) 99612.0904 (Tim) e (81) 99277.3630 (Claro) ***** WhatsApp: +55 81 99612.0904 ***** E-mail: daslan@terra.com.br

sábado, 11 de junho de 2016

De Timbaúba para o Mundo - Mário Pedrosa, o iniciador da crítica de arte moderna brasileira

>>>  Seus escritos e suas reflexões sobre arte e estética o tornam um dos grandes pensadores brasileiros e orientam até hoje muitos artistas de vanguarda no Brasil


                 Mário Xavier de Andrade Pedrosa nasceu no Engenho Jussaral, Timbaúba, em 25/04/1900, militante político e crítico de arte e literatura, iniciador da crítica de arte moderna brasileira e das atividades da Oposição de Esquerda Internacional no Brasil, organização liderada por Leon Trótski.  Foi crítico titular do Correio da Manhã (1945-1951) e depois do Jornal do Brasil (1957). Filiado inicialmente ao Partido Comunista Brasileiro, foi expulso em 1929 por sua ligação com o movimento trotskista.
              Em suas atividades como crítico de arte, destacou-se como diretor do Museu de Arte Moderna de São Paulo, colaborando na criação do Museu de Arte do Rio de Janeiro, com papel destacado no surgimento do movimento concretista nesta cidade. Em seu exílio no Chile, durante o governo de Salvador Allende (1970-1973), fundou em Santiago o Museu da Solidariedade, um dos mais importantes do país. O acervo continha de mais de cinco mil obras de arte, entre as quais peças de artistas como Alexandre Calder, Miró, Soulages e Picasso. Elas foram doadas graças ao prestigio pessoal de Mário Pedrosa no mundo artístico internacional.                  
       Autor de importantes escritos teóricos como "Poeta e Pintor Concreto" (1957), sobre o novo movimento literário é defensor de "primeira hora" do concretismo. No entanto, desde o início preocupou-se com a questão de procurar unir a "brasilidade", a "tradição cultural" e um certo "localismo", a uma arte mais "universal", como a abstrata e o concretismo, estes dois pouco aceitos pela velha guarda do modernismo brasileiro.
            Dois anos após o golpe militar de 1964, Pedrosa publicou dois livros (A Opção Brasileira e A Opção Imperialista) onde faz um estudo e análise daquele regime e de suas determinações. Mário Pedrosa refutava a hipótese, dominante em amplos setores da esquerda, de que seria possível uma revolução burguesa no Brasil. Em sua obra "A opção Brasileira" (1966) Pedrosa analisa o regime militar de 1964 e o governo de Getúlio Vargas sob a luz da obra de Karl Marx " O 18 de Brumário". O regime de 1964, segundo ele, não estava "acima de todas as classes", mas ligado ao capital financeiro internacional sendo "um adido militar da embaixada estadunidense no Brasil", indo prejudicar setores da própria burguesia nacional.  Mário Pedrosa morreu no Rio de Janeiro, no dia 05/11/1981.
-------------

Fonte: Wikipédia

*****

UM FATO EM FOCO
A educadora Nadira Albuquerque, ex-gestora do Colégio Cenecista Rodolfo Ferreira Lima, partiu para a Grande Viagem na madrugada deste sábado, 11 de junho, após perder uma luta silenciosa contra um câncer de estômago. Seu corpo está sendo velado na sua residência, próximo à Igreja de Nossa Senhora da Conceição, no bairro de Mocós, de onde saírá às 09 horas para o Cemitério de Santa Cruz. ***** À família enlutada, as condolências de PASSARELA CULTURAL
*****

Nenhum comentário: